fbpx
CinemaCultura

Uma crítica ao filme ‘O Fabuloso Destino de Amélie Poulain’

image

Uma rapariga com uma infância complicada, em que a detecção da sua doença cardíaca e a morte da sua mãe a afectaram seriamente a sua mente. Deixando de ter contacto com o meio social e passando este a ser a sua casa, designadamente os seus pais, começa por valorizar as mais simples coisas, como é o caso de atirar pedras ao lago, acção que surge repetidamente ao longo deste filme. Como todo o ser humano, Amélie cresce e torna-se numa adulta, deixando o seu pai só e indo viver para o centro de Paris. Empregada de café, vive rodeada de emoções e de símbolos que vão dar-lhe o controlo necessário para encontrar o seu amor, a sua felicidade.

Numa história emotiva e repleta de simplicidade, é possível observarmos o furacão de sensações e de pensamentos desta jovem mulher. Simples e sensual, vive sempre agarrada ao passado e daí as influências da sua infância. A forma como esta marcou Amélie é muito característica, na medida em que a sua vivência é concretizada com uma pureza e neutralidade mas, em contrapartida, no que toca à parte sentimental está muito apegada, diga-se de passagem, aos momentos de menina rodeada pelos seus pais. Quando encontra Nino Quincampoix a apanhar bocados de fotografias no chão de um estúdio fotográfico na estação, reparamos na atracção inicial por aquele acto. Novamente referindo, a simplicidade está presente: ela une-os. Já para não falar na vizinha de baixo, também vivendo agarrada ao passado, ao marido e às cartas que este lhe enviava da guerra, durante o cumprimento do seu serviço militar. Podemos falar também no pintor, também da sua vizinhança, onde através de um quadro é descrito o percurso de Amélie, uma simples personagem cujas emoções se vão modificando de acordo com o avançar da relação entre a jovem e Nino. O cenário envolvente demonstra-a da mesma forma, estabelecendo-se assim uma relação entre as personagens e o mesmo.

A meu ver, retrata-se como o amor é tão subjectivo e tão complexo e, ao mesmo tempo, um carrossel de bons momentos. Além disso, realça-se ainda o seu poder em relação à vida, a forma como este a domina. Um filme impressionante e interessante. Um filme que, embora seja abordada mais uma vez a temática amorosa, foi muito bem concretizado. Há que compreender que o mesmo sentimento faz parte do ser humano, seja pela cara-metade seja pela família ou, até mesmo, por simples objectos inanimados.

O que pensas deste artigo?

0
Adoro
0
Estou in Love
0
Não sei bem
0
É Divertido
Pedro Ribeiro
Vimaranense, 24 anos e recetivo a desafios, ocupo a maior parte do meu tempo em torno das áreas dos Média e da Comunicação. Sou estudante de doutoramento em Ciências da Comunicação e procuro oferecer a minha perspetiva da forma mais íntegra possível. Numa sociedade de pouco sentido crítico e muito moralismo, procuro trazer debate com conhecimento, procurando perceber e aprender mais. Não fosse isso um motor para a vida, o conhecimento. Já escreve Nietzsche, na sua obra 'Assim Falava Zaratustra': 'O Homem só existe para ser superado.'

Deixar Comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: