fbpx
SociedadeSociedade

Incerto? Talvez. Não sei. O que achas?

É hora de almoço e estou em videochamada com a minha irmã. Ambas nos admiramos com a beleza da paisagem. Crescemos as duas na terra onde estou de telemóvel empunhado, com aquelas montanhas verdes ao fundo. Mas talvez nunca tenhamos reparado verdadeiramente no quão bem a serra fica ali.

Sem estarmos à espera, na noite do mesmo dia em que gabamos o que nos rodeia, as árvores que compõem esse mesmo verde ardem em fúria, com as chamas a escalarem a serra.

Num domingo diferente deste, inscrevi-me num workshop de colagem, ainda sem saber o que estava para chegar. Noutro domingo ainda antes desse, discuti as datas nas quais aconteceria a primeira viagem em família, ao fim de mais de 10 anos. No entanto, com o coronavírus imerso em Portugal e no mundo, as decisões tomadas nesses domingos nunca chegaram a tornar-se em planos concretizados.

Semanas depois, tinha uma consulta no dentista, era preciso ir de comboio, mas a CP estava em greve. Não marquei um cruzeiro no Douro, ante mais um fim de semana em que era suposto ir a casa e surge a notícia de um descarrilamento na CP.

E é entre todas estas banalidades de alterações de última hora que me culpo por ainda fazer planos. Sim, planear é essencial para a organização mental. Mas também é mentalmente esgotante, quando todo o esforço empenhado se esvai, num claro efeito-borboleta.

Não sei se foi mesmo o Pessoa quem disse “esperemos o melhor, preparemo-nos para o pior”. Eu cá ouvi isso, num episódio da “Anatomia de Grey”, que é todo um outro nível de profundidade. Certo é que quem o disse tinha toda a razão. A atitude descrita naquela expressão é a melhor forma de abraçarmos em paz tudo o que é inesperado. Porque tudo é incerto e (quase) nada é para sempre.

Num documentário que passou na RTP3, ouvi a Amália dizer algo como “quem é lúcido tende a ser catastrofista”. Nos últimos tempos, as incertezas em que embarco têm-no comprovado. O resultado é uma lucidez crescente, que enterra, aos poucos, o otimismo que afinal só nos engana. Certo?

Florbela Caetano

Ligar o rádio é a primeira coisa que faço ao acordar. E isso já diz muito sobre uma jovem adulta, no século XXI. Como se este desajustamento não bastasse, gosto dos mundos que se dizem contraditórios: a publicidade e o jornalismo. Trabalho no primeiro. Procuro formas de me manter ligada ao segundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
%d bloggers like this: