fbpx
Bem-EstarLifestyle

Quem sou eu?

Esta pergunta é muitas vezes respondida com o nome, a profissão, a idade e o sítio onde vivemos. Qual é o âmago da questão que contorna a nossa essência? Não é o que fazemos, o que possuímos ou onde vivemos que releva quem nós somos. Esta pergunta demanda uma investigação interpessoal, uma viagem complexa para dentro de nós.

Quem está preparado para arrancar?

Primeiro, deixemos de lado o passado, medos, arrependimentos, saudosismos e mágoas. Despir uma camada de cada vez, como se fossemos uma cebola. Descobrir quem somos, é como ir ao encontro do que amamos, das nossas paixões, aquilo que invoca as nossas melhores emoções: Quais as que me representam melhor? Quão importante é a felicidade para mim? Descobrir o nosso propósito: Qual a minha missão? Quais os meus valores? Do que é que eu dependo para atingir a minha felicidade?

A primeira camada da nossa essência deverá ser o amor: o amor-próprio. Eu não vivo sem me amar, não seria autossuficiente, nesse caso.

A segunda camada é a gratidão, como é que a processamos e vivemos: agradecer o dia, a natureza, a aprendizagem, o alimento, o sustento e os que nos são importantes.

A terceira camada é o julgamento: como seres humanos somos erráticos e passíveis de mudanças, se quisermos melhorar a nossa presença onde quer que estejamos.

A quarta camada é a aceitação: aceitar os acontecimentos, não de forma superficial mas sim profunda, pois tudo pode ser sujeito de aprendizagem, basta querer.

Lanço, aqui, algumas questões que ajudam a ir ao encontro do nosso cerne emocional, a nossa essência:

  • Quais as minhas qualidades? Desta forma percebo o nosso nível de autoestima.
  • Quais os meus gostos pessoais? Viver o que nos emociona é enriquecedor e revelador sobre a nossa essência.
  • Tenho medo de alguma coisa? Entendemos melhor o que nos bloqueia para a ação.
  • O que me marcou mais na vida? Rever aquilo que podemos abandonar ou manter se fizer sentido para o estado atual.
  • Quais as minhas conquistas? Os sucessos fazem parte da nossa linha da vida, há que reconhecer e celebrar.
  • Gosto de mim? Perceber como está o amor-próprio.
  • O que posso melhorar? Avaliar a capacidade de motivação e honestidade.
  • Sou feliz com o que tenho? Rever escolhas e valorizar o presente.
  • Vivo constantemente na minha zona de conforto? Perceber como se auto-desafia diariamente.
  • Em quem posso confiar? Reconhecer quem são os meus apoios e pilares.
  • Como é que me relaciono com os meus erros? Os erros são aqueles impulsionadores da melhoria, devem ser considerados para uma possível mudança comportamental e emocional.
  • Quais os meus objetivos de vida? Ter objetivos é muito importante para o desenvolvimento, progresso e manutenção dos sonhos.

Para concluir, quem nós somos não representa a nossa história, percurso de vida, passado ou pretensões futuras. Nós não somos o que fazemos, a forma como nos comportamos nem os nossos pensamentos. Tudo isto é mutável, não somos um padrão da natureza humana mas temos um padrão baseado em valores, emoções e propósito de vida.

Sandra Pereira

Sou natural do Barreiro e vivi a minha infância e adolescência em Maputo. Regressei a Portugal com 18 anos, para se licenciar em Arquitectura. Comecei a escrever aos 13 anos e registei a minha primeira obra de poesia aos aos 19 anos. Para além de escrever sou Life Coach e Formadora de Gestão Emocional, com valência em PNL. Juntando estas duas valências, publiquei o primeiro "filho" escrito no âmbito de Coaching Emocional: "Contos Metafóricos", em 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.