fbpx
CinemaCultura

The Staircase

image

Um dia destes, sem querer, deitei-me em cima do comando da televisão e surgiu o canal HBO no ecrã. Dizia: “Para si” e, por baixo, a série “The Staircase”. Achei interessante ter uma sugestão de interesse, visto que raramente lá entro. Pensei: “deixa cá ver se realmente me conhecem”.

Não é que fiquei presa logo nos primeiros minutos? É assim que se apanham moscas! Temos de ser rápidos.

Concluí o que já sabia. Somos constantemente analisados e é-nos oferecido aquilo que nos interessa, com base em pesquisas anteriores. Acontece, também, com os telemóveis na apresentação e sugestão de produtos, lugares, viagens e amizades.

Depois destas breves constatações, dediquei-me a ver uma série, algo que já não acontecia desde os “Peaky Blinders”.

Primeiro, para minha satisfação, é baseada numa história real. O ator principal é o Colin Firth, de quem gosto. É uma série apenas com uma temporada de oito episódios, com cerca de uma hora cada. Perfeito, pensei. Se fossem demasiadas temporadas e quinhentos episódios, provavelmente, tinha-a logo posto de parte. Portanto, bingo!

A cada episódio, vamos sendo presenteados com mais informações e detalhes, as nossas dúvidas vão sendo dissipadas. Em doses controladas, como o açúcar. Sempre em torno do tema principal – as escadas. O que é que realmente aconteceu? Foi um acidente ou um homicídio?

E esta expectativa vai sendo alimentado e apimentada, gradualmente. Calculamos o que se passou, mas nunca temos a certeza; existe sempre uma aura de mistério e suspense, combinados, que nos deixam, ligeiramente, ansiosos.

O mesmo cenário vai-nos sendo oferecido com diferentes possibilidades. Qual é a verdade?

Algumas coisas vão sendo descortinadas com a alternância entre presente, passado e futuro. Essa métrica dá algum ritmo e mantém-nos agarrados.

O processo legal, no estado americano da Carolina do Norte, levou anos, com avanços e recuos, e uma decisão deliberada por um painel de pessoas escolhidas aleatoriamente, que compunham o júri.

Será a justiça apenas o resultado da forma como é percepcionada? Cada indivíduo julga de acordo com as suas próprias experiências e de acordo com aquilo que considera ser a verdade e, muitas vezes até, daquilo em que quer acreditar, mesmo contra várias evidências em contrário.

Aquilo que alguém vê como sendo verdade, outro pode ver como sendo mentira.

É neste jogo e nuvem de ambiguidade, que paira na pele do escritor Michael Peterson, que somos levados a questionar se ele é o vilão ou o inocente.

A mulher, Kathleen, é fantasticamente interpretada pela atriz Toni Collette, assim como Michael pelo talentoso Colin Firth, que, mais uma vez, dá provas de ser um excelente ator.

No fim, morrem todos.

Acham mesmo que vos ia contar o fim?

O que pensas deste artigo?

0
Adoro
0
Estou in Love
0
Não sei bem
0
É Divertido
Sara Carvalho
Curiosa, desde miúda, devorava livros e ficava fascinada com a capacidade intelectual dos autores para criarem enredos. Era fã acérrima de Agatha Christie, apesar de ter sido Enid Blyton quem me conquistou primeiro. Na idade adulta, o chamamento para escrever tornou-se ensurdecedor e em 2021 publiquei o meu primeiro livro - 777 - um romance de fantasia. Abri uma página e um blog para escrever e partilhar esta paixão - Cenas d’Escritas. Participei em diversas coletâneas poéticas como co-autora convidada. Escrevo regularmente, como cronista, para o jornal A Voz de Paço de Arcos e para a revista online Helicayenne Magazine Portugal. Neste momento, aventurei-me como coordenadora na criação de uma coletânea poética do grupo de escrita que administro no Facebook - Alma de poeta, alma inquieta.

Deixar Comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: