+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Um som minúsculo

O som pequeno do gato a mastigar a ração. Um som minúsculo, tão encolhido num canto da casa que mal tocava no silêncio. Ele, sentado no sofá, esforçou-se por ouvir o gato. De vez em quando, lançava um olhar cansado para a varanda. Ela continuava ali, a fitá-lo, os olhos tristes, a expressão grave. Ele gritava-lhe perguntas. Ela nunca lhe respondia. Não sabia o que responder. Não era assim que funcionavam as coisas.

Ele levantou-se, afastou com as mãos as teias de silêncio que o rodeavam. Em vão. Parou em frente à varanda, do lado de dentro do vidro, a olhar bem para ela. A chuva caía e molhava-a, mas ela ficava impassível. A mão dele a tocar no vidro, como se quisesse tocar nela. Mas nunca tocaria. Não era assim que funcionavam as coisas.

Ele voltou a sentar-se, as dúvidas existenciais a pesarem-lhe nos joelhos.

Como poderia ela estar ali tão longe dele, tão fora dele, e ele continuar a senti-la na pele? Como poderia ela continuar a convencê-lo a dormirem juntos? Não adiantava fechar persianas, desligar o telemóvel, trancar as memórias. Não era assim que funcionavam as coisas. A tristeza tem razões que a razão desconhece e quando decide habitar as fendas de um corpo ou de uma casa, é difícil não partilhar o dia a dia.

A tristeza ajudava-o a ouvir o som pequeno do gato a mastigar a ração. Um som pequeno que não tocava no silêncio. Só tocava no vazio que ele tinha dentro. Um som pequeno que não existia, já não existia, e agora quem se deitava no seu colo era a tristeza. O prato estava na cozinha, vazio.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

IA – O Futuro já chegou… e agora?

Next Post

O rasto da caracoleta

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Life

Life traz um certo paralelismo com a primeira obra de Anton Corbjin, ambos abordam dois ícones da rebeldia…

Cemitério de sonhos

As pessoas passavam por aquela estrada e nem paravam para olhar. Todos os que eram dali da zona sabiam o que…