ContosCultura

Pássaro ferido

De repente, o peito abriu-se-lhe. Não soube se era sinal de guerra ou de paz. Jaula, porta, armadilha.

Mas para que se abrem os peitos senão para expulsar o que já não somos?

Saiu do duche com os olhos vermelhos. Tocou no peito aberto com a ponta dos dedos. Devagar, cuidando-se para não se cortar nas fissuras nem nas lascas que se iam soltando. Olhou para o espelho embaciado. Teria de reaprender a ver-se. De reconhecer as expressões cruas. De reconstruir o corpo despido. De aceitar as cicatrizes.

Porque viver de peito escancarado é a única forma de sentir.

Sim, iria chorar ao dançar. E iria dançar até sem música. E perceberia por fim o sabor da chuva. E também o prazer do fogo. E apaixonar-se-ia pela solidão. E pelas gargalhadas dos outros. E conheceria o nome do indizível. E perderia todos os nomes e adjectivos. E seria livre. E às vezes doeria tanto como se lhe arrancassem a pele.

Mas talvez sentir seja o preço a pagar para não nos engasgarmos em nós próprios. Uma condição para respirar.

Viver de peito escancarado é a única forma de ser livre.

Revolução. Permitir-se paradoxo. Instaurar a amizade: passaria a ter jantares regulares com o seu caos. Convidaria o medo e a tristeza para beber. Junte-se quem quiser. Sentem-se, peçam vinho. Ou whisky, se preferirem. Hoje, seremos eufóricos. À nossa.

Viver de peito escancarado é a única forma de descobrir o que aprendem os pássaros feridos quando decidem voar.

Tags

Rosa Machado

Por ser curiosa e fascinada pelo que não compreendo, considero-me uma devoradora de livros e uma criadora compulsiva, seja de contos no papel ou de histórias mirabolantes no dia-a-dia. Adoro animais, fotografia, música e filmes – arte em geral. Perco a noção do tempo com conversas filosóficas sobre nada, longas caminhadas para parte nenhuma, conversas exageradas com os amigos, e séries com ronha no sofá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: