fbpx
Bem-EstarLifestyle

Sê por ti e para ti

Provocações

Tantos procuram ser os excelsos, os mais sublimes, os vencedores de qualquer coisa. Competem e treinam, treinam e treinam para atingir o cume. Serem o número um. E deles sai o esforço e o suor, a persistência, a dor e o sofrimento chegado ao limite. E vão a todas, não desistem, mas insistem, ignorando o que perdem, o que deixam para trás, o que, de algum modo, prescindem.

Contudo, continuam, misturando sangue, suor e lágrimas para, um dia, chegarem ao pico, ao lugar dos melhores, onde se quebram recordes e se ganham medalhas, taças, troféus. Guardam fotos, junto à glória de terem sido os vencedores… Mas e depois? O que acontece a quem não? A quem dá o melhor de si, luta e luta e não chega lá? O que acontece a quem não chega lá, por muito que treine, por muito que deseje?

O que acontece a que chegou uma vez em primeiro, a quem são depositadas todas as expectativas e não consegue? Que peso tem uma derrota a quem nunca ou a quem sempre? E a quem começa a acumular vitórias e, de repente, perde o sentido e o foco?

Competir é saudável, sim… Mas até que ponto? O que torna alguém num vencedor?

Será aquele que ganha ou aquele que não precisa de uma vitória para se sentir fantástico e completo? E quem desiste? É apenas um falhado ou alguém que percebeu que ganhar não é o que te dá o teu real valor?

E quando desistir é vencer? Quando nem sequer tentar é aquilo que te traz a felicidade de nunca perder? Ou porque apenas estás a ser tu, sem competições, sem teres de provar nada a ninguém? Ou porque apenas e somente não te apetece?

És perdedor? Ou és completo contigo e para ti? Quem é que decide se vale a pena? Tu ou outro alguém? Serás sempre tu e ninguém tem o direito, mesmo que assim o julgue, de te impor valores ou de te impor escolhas.

Ganhar ou perder, é desporto, dizem. No entanto, quem sabe se queres jogar, competir ou, simplesmente, tentar és tu. E tudo o que não fizer sentido para ti, não será uma vitória e não terá um valor real.

Sê por ti, para ti e estará tudo bem.

Ana Marta

Ana Marta, nascida em Sintra a 22 de Abril de 1971 e mãe de 3 filhos, desde cedo revelou o seu interesse pela escrita e pela Literatura, começando por escrever pequenos poemas durante a adolescência, época em que estudava Literatura Portuguesa. Ávida leitora desde que aprendeu a ler, sempre consumiu livros dos mais variados géneros literários e escrevia, em diários, textos sobre o que o seu coração sentia. Algumas décadas mais tarde, viria a publicar num blogue intitulado "Inexplicavelmente", textos da sua autoria e que, mais tarde, atraíram milhares de seguidores na sua página de Facebook, atualmente "ANA MARTA". Em 2020, lança o seu primeiro livro "Inexplicavelmente".

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.