fbpx
PersonalidadesSociedade

Robert Mulligan

O Cineasta da Melancolia

A entrada do Canal Hollywood iluminou a casa por volta dos 14/15 anos, quando o meu pai mandou instalar a TVCabo. A ideia de ter cinema 24 horas deslumbrava-me.

Pouco depois, juntamente com um conjunto de VHSs oferecido pela minha tia, que continham a história dos óscares, descubro, numa biblioteca desordenada que havia no Cascaishopping, um CD-ROM, Cinemania97, que veio desbloquear definitivamente o meu desconhecimento cinematográfico. Foi o melhor investimento da minha vida.

Atticus Finch defende Tom Robinson em tribunal em ‘Na Sombra e No Silêncio’

Tantas horas em frente ao computador a ver excertos, críticas de Leonard Maltin, Roger Ebert e Pauline Kael, os óscares, os artistas e o pessoal técnico (quantos argumentistas, compositores, editores não conheci nessas tardes e noites de pesquisa?) levaram-me a afinar o critério de selecção. A internet só entraria em casa no final de 1999; assim, durante três anos o Cinemania97 foi a minha IMDB e através dele entrei Na Sombra e No Silêncio. Conhecia Gregory Peck dos filmes do Canal 2 mas esta obra em particular exerceu um fascínio especial, sobretudo por o CD conter um excerto (sonoro) da alegação final de Peck no tribunal.

Quando vi que o filme passaria no Hollywood não tive dúvidas e talvez tenha sido o primeiro filme a preto e branco que me fez chorar. Realizado por Robert Mulligan, o filme é tão especial e contém tantas particularidades que daria para vários artigos. Em resumo: no Sul da década de trinta, um advogado de uma pequena cidade do Alabama é chamado a defender um negro acusado de violar uma rapariga branca. Em 1962, Gregory Peck levaria finalmente o óscar e quase quarenta anos depois fui levado a procurar o livro que lhe dera origem – Não Matem a Cotovia – e que ainda permanece como o meu preferido.

‘O Homem da Lua’ no último filme de Mulligan

Parti, então, em busca de outros títulos de Mulligan, e o segundo que vi, veio também pelo Hollywood. Obra de 1991, O Homem da Lua (não confundir com Homem na Lua, com Jim Carrey) traz-nos um retrato nostálgico da adolescência rural no sul dos Estados Unidos por volta dos anos cinquenta/sessenta (?). Com Sam Waterston e Tess Harper, e uma jovem então com quinze anos, Reese Witherspoon, viria a ser o último filme do realizador e mostra-nos, uma vez mais, um olhar triste (e muito belo) sobre o passado: a tristeza, quando bem contada, espalha um charme especial pela arte em que toca.

Os restantes dois filmes que vi vieram pelo torrent, logo, por volta de 2012-2013, os anos em que sacava filmes, uma época em que a minha viagem pelo Cinema teve um novo impulso.

‘Verão de 42’ e a descoberta do amor

Verão de 42. Um filme de 1971 que cujo título me apaixonou. Uma vez mais, a descoberta do amor, um olhar sobre o passado e os conflitos afectivos de que as vidas se constroem: durante umas férias de Verão numa ilha ao largo do Massachussets, um jovem apaixona-se pela primeira vez, por uma mulher mais velha que aguarda notícias do marido, em guerra na Europa. O piano de Michel Legrand marca o tom da história num belíssimo acompanhamento. Aliás as bandas sonoras dos filmes de Mulligan nunca foram deixados ao acaso: Elmer Bernstein havia marcado Na Sombra e no Silêncio e em 1978, outro homem forte da música para Cinema, Marvin Hamlisch, viria a ser nomeado com The Last Time I Felt Like This, a canção do filme À Mesma Hora Para o Ano que Vem. A história havia-me sido mencionada quase vinte anos antes, no epílogo de um relacionamento: ela falou-me num filme em que um homem e uma mulher, ambos casados, se encontravam uma vez por ano, sempre no mesmo dia, para uma noite de amor. Ellen Burstyn e Allan Alda (que na altura era estrela com a série MASH) formam o par romântico que durante décadas mantiveram a relação em segredo.

Dizer que este nova-iorquino nascido em 1925 não fez muito mais pelo cinema é injusto: além de Amar Um Desconhecido, história que Mulligan filmou logo a seguir a Na Sombra e No Silêncio e que, além de um elenco de luxo encabeçado por Steve McQueen e Natalie Wood, mostra a coragem de, em plena década de sessenta, expor as consequências que one night stand trazem à vida de uma jovem e de um artista (não vi ainda este filme), o facto de ter adaptado a obra de Harper Lee, um dos filmes americanos mais importantes da segunda metade do século vinte justifica, por si só toda a sua carreira. Os quatro filmes que vi de Mulligan não devem nada a ninguém, deixando uma marca própria na história do cinema americano.

Ellen Burstyn e Alan Alda, ‘À Mesma Hora Para o Ano que Vem’

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.