SociedadeSociedade

Quem tem o Mundo nas mãos?

Quem quer jogar à bola ponha o braço no ar! Muito bem, agora quem quer jogar à apanhada? Ora bem, 10 contra 7, vamos jogar à bola!

Tão simples não? Quando éramos miúdos a tomada de decisão democrática era tão fácil (como tantas outras coisas quando somos crianças). Fomos ensinados que viver em democracia é escutar o outro, tomar decisões justas e assim fazer a máquina funcionar.

O mundo de hoje é, no entanto, bem mais complicado. Quando queremos tomar determinada decisão pesamos mil e um itens na nossa balança mental, essencialmente pensamos, salvo algumas excepções claro, não só com a nossa cabeça mas também com a cabeça dos “amigos”.

Nos dias que correm, o mundo gira ao sabor das opiniões de quem o habita. Felizmente, os líderes mundiais, na sua maioria, procuram ouvir quem os segue, quem espera deles a orientação necessária ao funcionamento pleno da sociedade. No entanto, assistimos também ao aumento do populismo, à difusão de palavras vãs, de actos populares divulgados em massa. Assistimos à Ascensão preocupante dos extremos e já todos vimos este filme e não gostámos do final…

De facto, vivemos em rede, e desengane se quem pensa que controlamos essa rede. Vivemos no mundo e temos o mundo nas mãos.

Ora, vejamos: há bem pouco tempo falou se que, num simples jogo daqueles que milhares de pessoas partilham no Facebook (como serás daqui a 100 anos ou algo do género), estava escondida uma ferramenta que levava os dados de cada participante. Giro não? Mais giro ainda se pensarmos que, esses mesmos dados, foram posteriormente usados para influenciar decisões políticas.

O mundo até pode ser controlado por quem está sentado atrás de uma secretária com um botão mágico que em segundos destrói um país, esse alguém até pode ter mil e uma empresas xpto ao quadrado, trabalhando incessantemente em algoritmos e outros quinhentos. Essas empresas terão certamente os maiores génios, os mais inteligentes e por aí fora, mas e o mundo? O futuro do Mundo está, como esteve no passado,  as nossas mãos! Literalmente.

Cabe a cada um de nós trabalhar para que o mundo seja aquilo que sonhamos, mesmo começando em casa, no nosso microssistema. Cabe-nos a nós escolher aquilo que queremos que nos influencie, quem queremos admirar, quem nos conquista, quem nos seduz para que o sigamos.

Mais do que uma moda, mais do que um influencer, quem admiramos pelos feitos alcançados, pelos ideais comuns… cabe a cada um de nós ter o seu bocadinho de mundo nas mãos e cuidar dele como se de um universo se tratasse.

Tags

Andreia Mendes

Natural de Caldas da Rainha, 35 anos. Licenciada em Educação Social. Mulher, Mãe de dois. Com paixão pelas pessoas, pelas palavras, pelas acções, pelo teatro, pela música e claro pela escrita! Incapaz de compreender algumas injustiças por esse mundo fora, por esse tempo adentro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close
Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: