CulturaLiteratura

O Homem Que Só Gostava de Números

Se alguém barrou manteiga no pão pela primeira vez aos 21 anos e aprendeu a apertar os sapatos aos 18, o que nos ocorreria (depois de nos certificarmos da inexistência de um qualquer problema motor ou cognitivo) sobre esse alguém?

Paul Erdös (lê-de “Erdish”), matemático húngaro cuja vida coincidiu com a quase totalidade do século XX, foi esse alguém, mas foi muito mais. Foi um dos mais prolíficos matemáticos do século, sobretudo em Teoria de Números, uma área da Matemática sobre a qual alguém disse (e não me recordo se o li no livro que serve de base a este artigo, se noutro lado) que é uma área onde qualquer criança consegue entender um problema proposto embora nem os melhores matemáticos do mundo o consiguam resolver. A Teoria de Números estuda a classe dos números inteiros bem como os problemas que eles formam. A título de exemplo, afirmar que qualquer número par se pode escrever como a soma de dois números primos é uma conjectura que qualquer pessoa com conhecimento de Matemática ao nível do secundário consegue entender mas, à data em que li O Homem Que Só Gostava de Números, a biogafria de Paul Erdös escrita por Paul Hoffman, estava ainda por resolver: é (a famosa) Conjectura de Goldbach.

Erdös chamava Épsilons às crianças (o épsilon é uma letra do alfabeto grego utilizada nas proposições e demonstrações matemáticas para representar valores muito pequenos).

Erdös era um personagem singular. Educado longe do pai e tendo perdido as irmãs pouco depois de nascer, cresceu muito protegido pela mãe, cedo descobrindo a apetência para os números e para o cálculo. A vida de saltimbanco que viria a fazer parte da sua existência levou-o a transportar consigo duas velhas malas de roupa enquanto viajava por todo o mundo, alojando-se em casa de matemáticos com quem colaborava na escrita de artigos científicos.

Os matemáticos, como os filósofos, possuem aquela centelha paradoxal através da qual, alheando-se da realidade onde o comum dos mortais se move, conseguem esgravatar mais fundo na descoberta da linguagem última que explica a existência. Erdös era assim e a escrita apaixonada e apaixonante de Hoffman torna o relato da sua vida um deleite para qualquer leitor que se interesse pela História da Ciência. Li O Homem Que Só Gostava de Números com vinte e dois anos, quando o curso de Matemática na FCUL me corria bem e os livros de divulgação científica me abriam a curiosidade para o maravilhoso mundo da descodificação da realidade. O livro é uma fresca e belíssima biografia com uma dose razoável de Matemática pelo meio: um equilíbrio bem conseguido que alarga o espectro de possíveis leitores bem como o interesse pela vida de Erdös. O prémio Rhône-Poulenc em 1999 para o melhor livro de Ciência comprova-o

Erdös dormitava durante as conferências onde marcava presença pelo mundo fora e tinha a preocupação, não apenas em resolver os problemas, mas também em encontrar a forma mais elegante de o fazer: Matemática e Arte.

Para ele, Deus era o Supremo Fascista que “nos criou para se divertir com o nosso sofrimento. Quanto mais cedo morrermos, mais cedo lhe estragamos os planos.” E que possuía “O Livro”, um almanaque hipotético que continha “as melhores demonstrações de todos os teoremas matemáticos, demonstrações que são elegantes e perfeitas”. Quando Erdös queria elogiar o trabalho de um colega dizia que “veio directamente do Livro”.

A beleza da divulgação científica consiste em acender a chama da paixão pelo método científico a um leigo, mostrar-lhe como a realidade consegue ser tão simples e complexa ao mesmo tempo, como, passo a passo, vamos desvendando a linguagem que a descodifica, e tudo isto de uma forma perceptível, bela e apaixonante. Paul Hoffman conseguiu-o na perfeição com este livro.

Tags

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close
Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: