fbpx
CulturaLiteratura

O Deus das Moscas

William Golding escreveu O Deus das Moscas em 1953, no rescaldo da Guerra. Com as atrocidades, difíceis de acreditar à medida que os campos de concentração iam sendo descobertos e os testemunhos recolhidos, admito que tivesse como intenção retratar o estado selvagem que o ser humano poderia atingir na ausência de qualquer forma de regulação das relações entre os pares ou respeito pelas liberdades.

Um avião cai numa ilha deserta e os únicos sobreviventes são crianças. Depressa o espectro da liberdade as inebria e os primeiros tempos são de idílio. À medida que as obrigações se impõem em prol da sobrevivência e a organização chama por eles, vão caindo as convenções e um estado primitivo, embrutecido, começa a emergir. Formam-se grupos que depressa convergem para tribos e a vida estala num deboche anárquico onde a única lei que prevalece é a do mais forte. O bom senso desliza para o ponto de fuga como o pôr-do-sol ao longe, sobre o mar.

A ilha onde Golding barrica o grupo, independentemente da sua origem, causa, crença ou intenção, sob o inicial cenário paradisíaco, revela-se inóspita, misteriosa e agressiva, como a mente humana fechada sobre si mesma. Ela oferece o terreno onde o retrocesso civilizacional cavalga na impossibilidade de se ser no submundo do isolamento. É a ilha das crianças d’O Deus das Moscas.

Numa regressão da teoria de Rosseau, onde o Homem, naturalmente bom, é corrompido pelo meio, Golding subverte a ordem dos factores apresentando o Homem naturalmente selvagem, sendo o meio o garante de uma convivência normal e possível, assente em valores, respeito e liberdade. Quando o grupo volta as costas à sociedade, o instinto mais primário emerge. O resto é o habitual nestas seitas, tal qual acontece no livro: o inimigo externo, dividir para reinar, a luta pelo poder…

Se no Iluminismo a premissa de Rosseau parecia incontestável, a actualidade mostra-nos como as verdades são quase só circunstâncias: duzentos e cinquenta anos depois, mantém-se a questão: serão os seres humanos naturalmente bons ou maus, sendo o meio o contraponto a um estado inato da humanidade? É até questionável se existe um estado “bom” ou “mau” aplicável a todos. Um aspecto parece navegar de feição: o fecho de grupos sobre si próprios mata a diversidade e o debate e tolhe o questionamento, tão importante para a descoberta, a busca do desconhecido e a evolução.

William Golding viria a receber o Nobel da Literatura em 1983. O Deus das Moscas (o único livro que conheço dele) muito para tal terá contribuído. O livro permanece em mim como uma chamada de atenção desagradável e assustadora para o destino onde nos conduzirá uma sociedade sem freio, em que qualquer incompreendido, revoltado ou descontente pode derivar para uma ilha deserta à margem das regras comuns e, chamando a isso liberdade, recuar séculos rumo à boçalidade.

O final do livro é um choque. Não poderia ser de outra forma, tal a intensidade da vida dentro da tribo. Mas são apenas crianças.

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.