ContosCultura

Feitas de canções

Até no silêncio conseguia sempre ouvir a música delas. Tinham um ritmo constante debaixo da pele, cada movimento amanhecia um som. Ouvia-lhes a vida inteira. E admirava-se muito e orgulhava-se muito.

Porque aquelas mulheres tinham cicatrizes de lava na pele cor de terra. Já tinham sido labirinto e mar agitado, até ao dia em que destrancaram as portas e decidiram dançar. Cirandavam sem receio de cair, como se o chão guardasse as memórias dos seus passos. Riam alto, especialmente na dor, eram orvalho que brilhava.

Ela nunca fora assim. Não era feita de canções, tinha um corpo surdo, de gestos desafinados. Era sombra e vento, ADN errado. Mas sabia entender os tons dentro delas e as tempestades com que dançavam. E admirava-se muito e entristecia-se muito.

Porque ela não tinha coragem para escancarar portas. De madrugada, era capaz de as entreabrir, sentar-se à espera, observar o escuro. Depois, voltava a fechá-las e confirmava que nunca seriam arrombadas, que nada passaria pela fechadura, que as dobradiças continuavam fortes. Deitava-se com as chaves presas ao peito.

Mesmo antes de o Sol nascer, começava a escutar o compasso do peito delas e fechava os olhos. Só adormecia quando o silêncio estava cheio da música que elas carregavam dentro. Já intuía que era aquele o som da salvação: pés irrequietos, ancas livres, vozes de ternura e riso. E ela admirava-se muito e orgulhava-se muito e entristecia-se muito. Porque quem as visse dançar, não imaginaria o tamanho dos demónios que dançavam com elas.

Tags

Rosa Machado

Por ser curiosa e fascinada pelo que não compreendo, considero-me uma devoradora de livros e uma criadora compulsiva, seja de contos no papel ou de histórias mirabolantes no dia-a-dia. Adoro animais, fotografia, música e filmes – arte em geral. Perco a noção do tempo com conversas filosóficas sobre nada, longas caminhadas para parte nenhuma, conversas exageradas com os amigos, e séries com ronha no sofá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: