fbpx
Bem-EstarLifestyle

Agnóstica

O porquê de eu, uma cidadã deste mundo com uma vida privilegiada, ser agnóstica ateísta e ter renunciado à doutrina religiosa dominante em Portugal, é apenas o resultado de nunca ter sido “obrigada” a ser crente, ou seja, nunca fui formatada no que concerne a religiões.

A minha educação permitiu-me ter a curiosidade para procurar informação sobre as mais diversas religiões e conseguir ter um olhar crítico em relação ao que nos rodeia.

A existência ou não de um Deus ou entidade superior que nos possa ter criado e que tenha alguma influência sobre o nosso destino não é algo que o conhecimento humano possa comprovar.

Porém, os mesmos argumentos que defendem a existência de Deus, são os mesmos que os deitam por terra e tudo não passa de uma crença pessoal para justificar aquilo que a nossa mente não consegue processar.

E se essa questão fica em aberto na minha mente, prefiro não acreditar que um Deus todo poderoso, seja qual for o seu nome, consiga compactuar com as atrocidades desde mundo, permitindo o sofrimento de tantos inocentes e a impunidade de tantos pecadores nesta breve passagem por uma vida que nunca pedimos.

Nenhum de nós é o culpado do pecado original. Somos, apenas e só, culpados pelas nossas acções pessoais e somente por essas, devíamos pagar.

Não me parece de todo “justo” a humanidade inteira ser responsável por pecados que não cometeu e não ser guiada no sentido de evoluir até à suposta perfeição do que teria sido a primeira vontade de Deus.

Nada neste mundo consegue convencer-me da existência de um Deus que deixe crianças virem ao mundo apenas para morrerem depois de sofrerem doenças, abusos, violência, fome, desamor e tantas outras atrocidades.

Que Deus permite que a sua criação feminina seja tratada como um ser inferior, para vir ao mundo, também ela, para sofrer antes de voltar a ser nada?

Ou um Deus que deixe a sua grande Obra ser corrompido por tantos defeitos? Porque não a consertou, lá nos primórdios da criação e nos deixou um cérebro capaz apenas de entende-la?

Isso eu não consigo compreender. E como não consigo entender lógica alguma nas explicações que me dão, resumo a minha incapacidade de entender e reduzo-me à minha ignorância admitindo que é demais para mim. Mas não me contem histórias de embalar, com infindáveis parábolas que não têm outro sentido senão o de mascararem a nossa incapacidade de perceber o sentido disto tudo a que se chama viver e a razão de termos nascidos já condenados a morrer, algo que também não nos cai muito bem, como seres que têm a pretensão e/ou presunção de serem perfeitos e eternos.

Mas o que sei eu? Nada. E mesmo os grandes pensadores e sábios instruídos nunca foram muito mais além do que isto: no fim, nada sabemos e vamos como viémos: ignorantes.

E ser agnóstica é isto. Saber que nada sabemos e que jamais iremos saber.

Porém, ultimamente, ouvi alguns comentários sobre a admiração daqueles que se afirmam crentes perante a generosidade ou mesmo grandiosidade de certas figuras públicas e o facto das mesmas não acreditarem em Deus.

Meus amigos, não confundam as coisas: acreditar em Deus não torna as pessoas melhores, sendo que foi em nome de Deus (seja com que nome for) que se cometeram e cometem as maiores atrocidades, e muitos dos ateus ou agnósticos que conheço são das pessoas mais puras e íntegras que existem, possuindo a tal generosidade e sentido de gratidão que não consigo reconhecer em muitos crentes da nossa praça.

A pureza e honestidade de uma pessoa, tal como a capacidade de amar o próximo, não podem ser confundidas com a necessidade, ou não, de acreditar em algo que lhe conforte a existência.

As pessoas são o que as suas acções e a sua natureza as transforma e que nada tem a ver com as crenças que dizem ter.

Ana Marta

Ana Marta, nascida em Sintra a 22 de Abril de 1971 e mãe de 3 filhos, desde cedo revelou o seu interesse pela escrita e pela Literatura, começando por escrever pequenos poemas durante a adolescência, época em que estudava Literatura Portuguesa. Ávida leitora desde que aprendeu a ler, sempre consumiu livros dos mais variados géneros literários e escrevia, em diários, textos sobre o que o seu coração sentia. Algumas décadas mais tarde, viria a publicar num blogue intitulado "Inexplicavelmente", textos da sua autoria e que, mais tarde, atraíram milhares de seguidores na sua página de Facebook, atualmente "ANA MARTA". Em 2020, lança o seu primeiro livro "Inexplicavelmente".

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.