+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Quem ama tem luz na alma

É algo de belo e raro envelhecer juntamente com o amor de uma vida, em descoberta conjunta e em partilha. Eu fui bafejada por essa sorte. Pois nasci de um amor assim, extraordinário e inspirador, rico em respeito, amizade e cumplicidade, imperfeito e perfeito, com mais de 50 anos e que só terminou com a morte. Aliás, nem terminou… E este é um dos sentidos que atribuo ao manifesto “até que a morte nos separe”. Ou seja, a morte de um dos cônjuges. Mas não só. Também pode significar a morte do amor. Sim, a morte do amor. Porque o amor também morre. Morre mas não é apagado. Fica gravado e, de uma forma ou de outra, deixa frutos. Pois do amor nasce sempre algo de novo, que abre e eleva um pouco mais a alma, que gera e multiplica amor…

É fácil amar o bonito, o encantador, o alegre e o excitante, mas é nos defeitos, na tristeza, na doença, no monótono, e até mesmo no feio, que se fala a sério de amor. Julgo que é a partir daqui que se pode fortalecer a aliança onde tudo o resto é conjugado. E é também aqui que eu encontro a definição do verbo amar, no conforto da cumplicidade que só existe entre quem partilha tudo, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da vida…

O encantamento dos primeiros tempos do dito amor é, muitas vezes, tão sobrevalorizado que depois quase ninguém se prepara para o resto, em boa verdade para o verdadeiro amor. Para a vida. Para a rotina. Para as piadas que só os dois entendem. Para os silêncios partilhados. Para o luto. Para as memórias construídas. Para as dificuldades e obstáculos. Para um amor que requer um semear cuidado, adubo, paciência e, sobretudo, tempo. Tempo para fazê-lo crescer, florescer e dar frutos. Para um amor cujos alicerces suportam as tempestades dos maus agoras.

Pela oportunidade de nos tornar pessoas melhores e almas maiores, o amor vale sempre a pena. Mais ainda: acredito no amor para sempre, no sentido em que o sempre do amor é a sua verdade e intensidade. Podem ser segundos, minutos, horas, dias, anos… o importante é que seja verdadeiro. Esta é a minha concepção de amor eterno.

Também acredito nas almas gémeas, que conseguem extrair o melhor do outro. Creio na sintonia do amor, como uma rede sem fios e com muitos filhos, feito de horas felizes, de partilha, de esperança, de futuro, de aprendizagem, de crescimento e de sentido, de sentido para a nossa existência.

Julgo que envelhecer juntos, com as rugas e com tudo o que o envelhecimento traz, será o clímax do amor.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Agnóstica

Next Post

Populismo, a chaga da Democracia!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

O Milagre da Rosa

Foi uma conversa despretensiosa. Eu estava paquerando as flores, admito. Paquero todas as que vejo como se…

Archie Bunker é fixe!

A RTP Memória está a passar, novamente, a série Tudo em família. Todas as noites os minutos são poucos para se…

Sou quem sou

Não tenho medo de me mostrar como sou. Tenho medo é de quem não compreende a realidade de que sou feita e por…