fbpx
CinemaCultura

Trumbo – Em Defesa da Liberdade

Trumbo, um filme que tem mais a ver com o presente do que uma primeira vista poderia antever, conta a história de Dalton Trumbo (num magnífico retrato de Bryan Cranston), argumentista que surgiu em Hollywood na década de 30 e que foi relegado para a lista negra em 1947 por pertencer ao Partido Comunista. Contrariamente aos intérpretes, que não tinham como utilizar testas-de-ferro, Trumbo começou a trabalhar sob nomes falsos, tendo ganho dois Óscares: Férias em Roma (1953) e O Rapaz e o Touro (1956). O primeiro foi atribuído a Ian McHellan Hunter, fronter de Trumbo que – de acordo com o que o filme sugere – sempre terá reconhecido o mérito do amigo, tendo ele próprio mais tarde sido arrastado para a lista negra. Em 1993, a Academia atribuiu a Trumbo os créditos a título póstumo. Com o segundo filme aconteceu algo (mais) caricato: Robert Rich, o argumentista vencedor, pura e simplesmente não existia! Pela primeira vez na História, um Óscar não era reclamado. Em 1975, um ano antes da sua morte, o argumento foi creditado a Trumbo, no único Óscar por ele recebido em vida.

Hoje, em 2020, o que aprendemos com a História?

Pouco: a actual cancel culture abriu a porta à arbitrariedade dos critérios da corrente da moda, a qual se grudou ao politicamente correcto. Quando exigimos a perfeição, somos os primeiros a escorregar nela.

Já ponderei se deveria ignorar as obras ou, por outro lado, ignorar as atitudes de um artista e usufruir das obras “apesar” das suas atitudes (a título pessoal fazemos o que entendemos, contudo, defender que uma obra deixe de ser distribuída, vendida ou disponibilizada por uma instituição pública ou mesmo uma empresa, é diferente). Hoje, tenho que as duas atitudes não são incompatíveis: Elia Kazan é um dos melhores realizadores de todos os tempos, mas isso não me impele a defender as denúncias que ele fez perante a Comissão de Actividades Anti-Americanas. Poderia desenvolver as histórias de Lars Von Trier, Gabriel Garcia Márquez ou até de José Saramago que, enquanto sub-director do Diário de Notícias, esteve ligado ao saneamento de vinte e quatro jornalistas que exigiam mais pluralismo: nunca viu livros retirados (em democracia) por qualquer distribuidora. Foi censurado por Sousa Lara para um prémio europeu e essa censura foi amplamente condenada (e muito bem). Será que a actual corrente também pretende retirar os livros do Nobel português pelo tempo em que ele esteve no DN?

Hoje o boicote manifesta-se não só aos artistas (veja-se a dificuldade de Woody Allen em financiar o seu último filme) mas também às obras (retiradas). A tentativa de higienização da Arte, com distribuidoras a retirarem obras por estas retratarem temas de uma forma parcial põe a nu o absurdo a que chegámos: o caso da HBO ao retirar E Tudo o Vento Levou tendo, mais tarde, revisto a posição ao ceder novamente aos protestos que a retirada do filme causou, recolocando-o, acompanhado por um alerta avisando que o filme “nega os horrores da escravidão” de forma a mostrar que a realidade da escravatura não terá sido tão cândida; ou da BBC removendo um episódio de Fawlty Towers, por declarações atribuídas ao Major, personagem da série, atitude sobre a qual deixo a reacção de John Cleese, autor e protagonista da sitcom britânica: “O Major era um velho fóssil que havia sobrado de décadas anteriores. Não estávamos a apoiar as suas opiniões, estávamos a gozar com elas. Se eles não conseguem ver isso, se as pessoas são demasiado estúpidas para ver isso, o que é que se pode dizer?“.

Repito: Quando exigimos a perfeição, somos os primeiros a escorregar nela. Não sobraria ninguém.

Concordo com Pedro Mexia, de que “[a apreciação de] uma obra de arte não me vincula às ideias do autor”. Até ao momento, as retiradas de filmes têm sido casuais e não um movimento institucional. Vi há pouco tempo O Triunfo da Vontade e Outubro. A apologia do regime nazi e a glorificação do regime soviético. Seria triste ter que justificar não ser nazi nem pactuar com os gulags, e que tenho a liberdade de ver estes ou quaisquer outros filmes por razões que só a mim dizem respeito; com eles aprendi acerca do tempo que retratam. Conhecer o modo como a arte, políticos, etc… foram retratando o seu tempo é uma opção que quero manter intocável.

Voltando a Trumbo, de todos os defensores da moral que parasitavam à volta da indústria, Edda Hopper é a que é retratada do jeito mais execrável. Próxima do senador McCarthy, de Ronald Reagan (na altura actor) e de J. Edgar Hoover, a antiga estrela de cinema cuspia veneno numa coluna que chegou a ter trinta e cinco milhões de leitores (um magnífico trabalho de Helen Mirren).

Houve, no entanto, sinais positivos: num primeiro momento (o mais difícil), Gregory Peck e Lucille Ball insurgirão-se contra a perseguição daqueles que eram conotados com ideias “inimigas da América”; mais tarde, Kirk Douglas (Spartacus) e Otto Preminger (O Êxodo) deram a estocada que viria a acabar de vez com aquele período de vergonha ao insistirem, sob ameaças e protestos, na inclusão do nome de Dalton Trumbo nos créditos dos respectivos filmes. Sem subterfúgios nem disfarces.

Dalton Trumbo não vergou nem pediu desculpa. Manteve a defesa das suas ideias e com isso mostrou, concordemos ou discordemos delas, coragem.

Da caça às bruxas de que Trumbo foi vítima até hoje, a diferença está na forma: a censura não é já tanto imposta por quem manda, mas massificada por quem se ofende com o que quer que não vá de encontro às suas ideias. A fronteira é ténue entre o que uma comunidade deve ou não aceitar, mas rejeitarmos a capacidade reflexiva e a aceitação do outro é, mais do que um atentado à liberdade, um atentado ao espírito humano.

Trumbo

Argumento - 75%
Interpretação - 85%
Produção - 85%

82%

Pontuação Final

O inalienável valor da Liberdade

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
%d bloggers like this: