+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Criminosa dos e-books

Sou uma criminosa do e-books. Porque leio e-books. Sempre que falo disso sinto-me uma criminosa perante incómodo das certezas abaladas dos outros [facto aliás comum na minha vida]. Como se, por eu ler e-books, interferisse de alguma forma na vida dos outros. Contudo, é sempre assim com tudo, não é? Com os nossos gostos e as nossas escolhas. As pessoas acham sempre que as ofendemos, que estamos a querer impor nossos (diferentes) hábitos, quando na verdade só estamos a ser nós próprios. Pecado Capital, certamente.

Vêm com uma série de argumentos/falácias, tentando converter-me a uma qualquer religião em que, em vez de tomar hóstias, os crentes cheiram livros. Ou inspiram livros, sendo admiradores do seu cheiro – gesto muito estranho e com indícios de hábitos aditivos.

Agora, sem brincadeiras, eu é outros como eu, acabamos por nos sentir o Anticristo dos livros, o arauto de uma distopia futura, os responsáveis pelo fim da leitura, os que iremos trazer o fim da civilização, e, por nossa culpa, irmos todos acabar a comer latas de atum e aquecer as mãos num bidon arder numa noite de Natal solitária.

Acontece que, no meio disto tudo leio no formato tradicional. E Porque não haveria de fazer? O mundo não é preto e branco, nem 8 nem 80, apesar de nos últimos tempos haver muitas pessoas que se esforçam para que se torne assim.

Sou vista como uma traidora, no fundo traidora das crenças dos outros – mas nisto dos livros sou traidora de muitas formas, pelos e-books: traidora pelos livros novos, pelos livros em segunda mão, traidora pelas bibliotecas…

Haverá uma forma correta de ler? Quando se fala nos índices de literacia, sobretudo no nosso país, será assim tão importante a forma como eu escolho ler? E quando se fala que se vendem poucos livros em Portugal, está-se a falar de leitura ou está-se a falar de economia? Será que ainda iremos conhecer manifestos antibibliotecas? Será que vão aparecer leis a proibir o empréstimo de livros? Ou será que finalmente se vai dar valor a todos aqueles que promovem o livro, a leitura?

Nota: este artigo foi escrito seguindo as regras do Novo Acordo Ortográfico
Share this article
Shareable URL
Prev Post

Mulheres (e Mães)!

Next Post

Um cliente pode vir a ser um amigo. E o contrário?

Comments 4
  1. Antes de deixar aqui a minha opinião, parabéns por mais este excelente texto e que venham mais.
    Há aquele cliché que quem é um bom leitor não lê e-books ou que compra centenas de livros por mês. Acho que esta é uma visão de quem não lê. O bom leitor é aquele que lê em qualquer formato, isto não quer dizer que não dê primazia a qualidade do que lê, seja uma boa tradução e uma boa edição de uma obra. O e-book é apenas mais um formato para se ler livros, revistas ou artigos e veio-nos dar mais algum conforto e facilidade de adquirir obras sobretudo de novos doutores. Quando surgiu a escrita e o papel também estes foram alvo de críticas e de resistência a adesão. Durante milénios as pessoas estavam habituadas a transmitir os conhecimentos, as lendas, os mitos, através da oralidade, não achavam certo escrever o que antes era transmitido pelos antepassados e que era preciso decorar. As primeiras pessoas a lerem em silêncio também eram vistas de lado, era impensável alguém ler daquela maneira, que coisa estranha e maléfica. Portanto é normal que haja pessoas que resistam às coisas novas que vão aparecendo e que queiram à força toda que os outros tenham a mesma maneira de pensar. Mas o tempo acaba sempre por vencer essa resistência

  2. Com franqueza, acho o perconceito ridículo. A maior parte das leituras faço pelo tablet porque tenho problemas de vista, e a leitura pelos livros em papel é incómoda se não tiver a quantidade de luz certa.
    No entanto, se gosto muito de um livro procuro adquirir uma cópia em papel.
    A possibilidade de haver mais formas peloas quais podemos ler é uma benesse. O preconceito? É coisa de tolos ou gente manipuladora…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Chama-me pelo teu nome

Estamos no início dos anos 80, no pico do verão e com lindíssimas paisagens italianas. Um cenário perfeito para…

Não há saco!

A partir de 2015, os finos e leves sacos de plástico com que nos habituámos a transportar as compras até casa…

As palavras dela

Hora de escrever, expressar sentimentos usando palavras. Era o que mais gostava de fazer. Mas nem sempre era-lhe…