fbpx
Bem-EstarLifestyle

Romantismo

O romantismo deveria ser uma coisa atemporal, que passasse pelos séculos incólume e sem máculas que o reduzissem a dias especiais, mais vincado pelo “merchandising” do que pelo sentimento.

A luta pela igualdade de género trouxe ao romantismo um desnorte de papéis e este acabou por perder algumas características de sedução e de galanteio masculino, que foram deixando de fazer qualquer sentido: o cavalheirismo foi-se diluindo e, nos dias hoje, gestos outrora apreciados são facilmente confundidos com machismo.

O homem pagar a conta, abrir a porta do carro, puxar a cadeira para a mulher se sentar, são gestos que caíram em desuso, como a serenata ou a carta de amor.

Uma cena dessas, atualmente, é mal-aceite pela sociedade, mas não deixa de ter um certo encanto e ainda é o sonho secreto e romântico de muita gente por aí.

Posso confessar que nunca recebi um ramo de flores ou nunca me abriram a porta do carro. Nunca ninguém me ajudou a sentar e, sinceramente, não sei qual seria a minha reação a qualquer uma dessas situações, mas não vou mentir e dizer que não são coisas que não existam no meu imaginário mais romântico.

Se passo bem sem isso? Passar, passo, mas não é a mesma coisa.

A realidade é mais fria, mais descaracterizada, mais individual, mas contempla também a diversidade e a multiplicidade no romantismo, dando-lhe abertura para todo o tipo de excentricidades e, tornando normal, todo o tipo de iniciativas no campo do amor.

Por outro lado, o amor também ele se tornou num sentimento mais efémero, mutável e egocêntrico, levando muita gente a nem sequer acreditar na sua existência como algo “para sempre”.

A verdade é que tudo muda e nada é para sempre.

Os hábitos, os costumes e o normal são, e bem, processos em constante evolução.

Melhor ou pior, é tudo uma questão de opinião.

Ana Marta

Ana Marta, nascida em Sintra a 22 de Abril de 1971 e mãe de 3 filhos, desde cedo revelou o seu interesse pela escrita e pela Literatura, começando por escrever pequenos poemas durante a adolescência, época em que estudava Literatura Portuguesa. Ávida leitora desde que aprendeu a ler, sempre consumiu livros dos mais variados géneros literários e escrevia, em diários, textos sobre o que o seu coração sentia. Algumas décadas mais tarde, viria a publicar num blogue intitulado "Inexplicavelmente", textos da sua autoria e que, mais tarde, atraíram milhares de seguidores na sua página de Facebook, atualmente "ANA MARTA". Em 2020, lança o seu primeiro livro "Inexplicavelmente".

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
%d bloggers like this: