+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

The Crown

Uma das séries de sucesso da Netflix voltou para a segunda temporada. Baseia-se noutra década do reinado da Rainha Elizabeth II.

Misadventure” é o título do primeiro episódio. Começamos a temporada com uma crise matrimonial entre a Rainha Elizabeth (Claire Foy) e Philip, o Duque de Edimburgo (Matt Smith). Durante os episódios seguintes, recuamos meses do ponto de partida e compreendemos a origem da situação. O casamento real é posto à prova e o divórcio não é opção. O casal terá de lutar para que o matrimónio se mantenha estável. Elizabeth terá de tomar difíceis decisões a nível pessoal e nacional. Numa série histórica que acompanha factos verídicos, o espectador conhece mais pormenores sobre a Crise Suez e o Caso Profumo. Para relembrar, a guerra Suez mencionada aconteceu no ano de 1956, uma crise política que teve início quando Israel, com o apoio do Reino Unido e França, países que utilizavam o canal para o livre acesso ao comércio oriental, declarou guerra ao Egipto. Já o desfecho da temporada foi marcado pelo Caso Profumo. Um escândalo político, entre John Profumo, Secretário do Estado de Guerra e Christine Keller uma futura modelo de 19 anos de idade que abalou o Parlamento e resultou na demissão do Primeiro-Ministro. Estes foram fortes assuntos que assombraram as décadas de 1950 e 1960, período que se foca esta temporada.

A Netflix prometeu-nos 60 episódios desta série, que se tem mantido um sucesso, e ainda só vamos na segunda metade de reinado na vida da Rainha. Durante estes anos além das crises políticas que abalavam o governo, após Churchill (interpretado por John  Lithgow na temporada passada) dois primeiros-ministros não conseguem manter-se no cargo, fortes críticas são feitas à monarquia, a fidelidade do Duque de Edimburgo é posta em causa, o casamento real entre a princesa Margaret e um fotográfico bissexual e até a visita dos Kennedy ao Palácio Buckingman, dois anos antes do  assassinato do Presidente, todos estes temas foram  retratados nesta temporada.

O argumentista e criador, Peter Morgan  é um especialista em adaptações históricas. “A Rainha” (2006) e “Frost/Nixon” (2008) são filmes que  contam também com o seu nome. Nesta segunda parte os produtores decidiram ser mais abrangentes  na narrativa. O  foco principal apesar de ainda continuar a ser Elizabeth, intensifica-se por mais personagens.  Philip consegue ter um destaque mais firme nesta temporada. O seu passado foi resumido no episódio  “Paterfamilias” e a sua descendência nazi explicada.  Neste que foi um dos melhores episódios da temporada conjuga com clareza  a educação de  Charles, Príncipe de Gales , com a do pai. Além de Philip é Margaret (Vanessa   Kirby),  irmã da Rainha que  consegue  sobressair-se   um pouco mais. A sua personagem  como princesa boémia é evidenciada pelos cigarros que fuma, bebidas alcoólicas que  ingere  e  festas a que marca presença. Ouve música alta de madrugada e está desesperada para casar.  Depois de um noivado falhado, aceita o pedido de casamento muito controverso de  Anthony Armstrong -Jones (Matthew Goode).  A princesa, merece um episódio só focado em si. “Beryl”  descreve Margaret como  uma jovem solitária e vulnerável  onde só procura o amor.

Nesta gloriosa produção todos os pormenores são mantidos  muito idênticos à realidade.  Desde os eventos que marcaram a monarquia britânica, o fantástico guarda-roupa das personagens até aos cenários  que completam a série. O elenco permanece firme e fantástico e considero dos pontos mais fortes da série. Na terceira temporada o cast vai sofrer alterações para uma nova década de acontecimentos. Para já os confirmados são Olivia Colman para Rainha Elizabeth e Helena Bonham Carter como Princesa Margaret.

The Crown” é uma excelente aposta para escolha de serão e só não queremos que acabe. Longa vida a “The Crown“.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Mudanças de última hora

Next Post

Banco público com tiques de privado

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Rolls-Royce Cullinan

O Cullinan foi o maior diamante em bruto alguma vez descoberto e, antes de ser cortado pesava 3,106.75 carates…