fbpx
CulturaLiteratura

O Medo de Al Berto

“mas não te aconselho a tristeza, Al Berto, nem a melancolia, pensa bem… quantos fogos estarão ao alcance do tacto?

acende-os sem demora, continua invisível.”

Al Berto

Al Berto quis expulsar o medo pela poesia. Corpo e alma pareciam tomados de um horror metafísico, materializado em palavras impossíveis de ressignificar. Começou por amar a pintura, mas foi nas letras que procurou a catarse. Editor e poeta, nasceu em Coimbra, em 1948, exilou-se em Bruxelas no final dos anos 60, onde estudou pintura, viveu entre Sines e Lisboa.

aqui está a imobilidade aquática do meu país, o oceânico abismo com cheiro a cidades por sonhar. invade-me a vontade de permanecer aqui, para sempre, à janela, ou partir com as marés e jamais voltar…

O Medo, edição da Assírio & Alvim, reúne os frutos de pouco mais de uma década de expressão poética irreverente, legado de quem, apesar de nascido burguês, se rebelou contra as linhas rígidas do modelo social e buscou lenitivo na utopia de uma vida livre.

Na obra de Al Berto, a sede de encontrar-se e de ao mesmo tempo sair de si traduz-se numa dissecação obsessiva do corpo e dos seus fluídos: cuspo, esperma, urina, lágrimas e sangue. É o corpo o albergue físico da existência humana, nele vivia o medo que Al Berto se esforçou por exorcizar.

estas planícies asfaltadas pelo tédio estes prédios de urina

estas paredes vomitadas

onde as diáfanas aves da solidão embatem e definham

deixam cair dos bicos fios de sangue e de cuspo que te evocam

Contudo, nem só de corpo vive a poesia de Al Berto, um flâneur noctívago, amante do mar e das ruas silenciosas, mas também da sua subversão pela agitação boémia. Um homem dividido entre duas faces, solar e lunar, entre a inadaptação e o fascínio por um sentir violento.

a noite jorra silêncio de estrelas e de mar, cobre de cintilações a terra lavrada. vergam-se os pinheiros à luz do luar, a resina enegrece os dedos. ouve-se o rebentar das ondas. adormeço.

Al Berto consolidou a sua voz poética – repleta de metáforas e de jogos lexicais -, fora de tempo, o que pode levar a supor que, por caprichos do destino, nasceu na época errada. Numa época incapaz de integrar a obra e o homem, homossexual assumido, apontado como marginal e promíscuo pela comunidade que o viu crescer, uma comunidade paradoxalmente conservadora e antifascista. No entanto, talvez tenha sido esse pretenso erro de timing que o trouxe à ribalta, graças à irreverência na escrita e na vida.

Al Berto transformou-se, transformou e continuará a transformar pela obra que imortalizou, de leitura obrigatória para quem ama a poesia. “O Medo” é uma aposta para ler sem medo.

Lara Barradas

Vivo com os pés na terra, a cabeça na lua. As palavras correm-me nas veias, pulsantes de emoções e ansiosas por se despenharem sobre uma folha branca. Tentam, desesperadamente, definir o indefinivel: eu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.