+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

El prisionero del cielo_desatque

El prisionero del cielo, de Carlos Ruiz Zafón

Há uns dias li as últimas páginas deste livro e, quando o fechei, só tive um pensamento: “Carlos Ruiz Zafón é um deus da escrita”. É impossível pegar num livro deste autor e não ficar preso àqueles mundos que ele cria. Mundos mágicos, reais, surreais, onde nós também somos personagens e que, por mais que o autor estique os fios da realidade até ao quase impossível, nós continuamos a acreditar em tudo, a saber que é tudo verdade, porque ele brinca com a verosimilhança como um mestre.

As primeiras páginas do livro anunciam que este é um livro que faz parte de uma série de quatro (este é o terceiro), que podem ser lidos separadamente. Contudo, aconselho a ler todos para não se perder uma vírgula de toda a história que cada livro engloba, nem do que os três (até agora) significam juntos, uma vez que são várias histórias que levam a uma grande história que é obscura, passada entre nevoeiro e mistério, mas absolutamente maravilhosa e mágica.

Os personagens são fantásticos e inesquecíveis. A maneira como cada um fala, o que diz, no que pensa. As suas expressões são… tudo. Só estes personagens para nos fazerem rir catarticamente no meio de tanto mistério e de uma história tão obscura e intensa.

El prisionero del cielo 1Neste terceiro livro, El Prisionero del Cielo, voltamos aos heróis que conhecemos em La Sombra del Viento, Daniel Sempere e Fermín Romero de Torres. Comparativamente com os anteriores, este é um livro com menos acção no presente dos personagens e mais centrado no passado. Existem duas linhas que se complementam: o presente dos personagens – o casamento de Fermín com Bernarda – que leva a que Fermín nos conte o seu passado, uma parte da sua história e dos seus segredos, com a maioria da acção a acontecer nessa história que já passou e que ele nos está agora a revelar. São duas linhas de narrativa diferentes, mas que se complementam muito bem.

Se lermos os livros anteriores, vamos reparar que parecem ter mais acção no presente dos personagens, que, linha a linha, eles vão também descobrindo histórias e segredos, mas a acção não fica muito presa no passado. Os personagens vão agindo conforme essas histórias lhes permitem, página a página, desvendando esses mistérios, até que, no fim, descobrimos (quase) tudo.

El prisionero del cielo 3

Este livro senti-o como uma catapulta para o último da série. Como se fosse mais uma explicação do que aconteceu depois dos dois livros anteriores, como se fosse uma preparação para o quarto e último livro. Não se deixem enganar pelas minhas palavras, porque esta obra não é nada aborrecida. Eu adorei-o, adorei todos os livros da quadrologia e é notório que este livro, com mais passado, era preciso para unir todos os anteriores e anunciar a chegada do último. É, ainda, imperativo dizer que este livro não deixa de ter alguma acção e muito menos nos deixa sem os mistérios a que o autor nos habituou. Aliás, mistério é a palavra-chave para este livro, que não acaba numa conclusão (quase) fechada como nos outros livros. É um fim completamente aberto, que nos deixa nervosos e a sentir nos dedos a promessa do que aí vem.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

24 Ressuscitou, mas para Morrer Noutro Dia

Next Post

Receita express AKA Como evitar dormir no sofá

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

O Relógio lá em cima

Não havia nada mais em que pensar. Era hora de agir. Tudo o que visualizava na mente não eram mais do que…

O amolador

Ouvia-se ao longe a gaita. Raios do homem que anuncia chuva! Era assim que o tratavam, aquele ser que tudo…