CinemaCultura

Breve Encontro – Um clássico muito especial

Há muito que a resposta é “Não tenho” de cada vez alguém pergunta “Qual é o teu filme preferido?”, mas são tantas as vezes que me apetece responder: Breve Encontro

O tema, tal como o filme, é clássico: um homem e uma mulher, ambos casados, apaixonam-se e confrontam-se com o dilema do caminho a dar às suas vidas. Nada de novo. O que torna então este filme singular? Tantas coisas, sendo a última delas a vontade que tive em ir ver recentemente uma reposição à Cinemateca e encontrar inúmeros detalhes maravilhosos que me haviam escapado em visualizações anteriores.

Baseado numa peça de (Sir) Noel Coward, o filme foi realizado (e co-escrito) por David Lean, pupilo de Coward que viria a tornar-se num dos grandes realizadores do século XX. E que subtileza de argumento… não só a narração e as considerações que vamos ouvindo na mente de Laura são de uma sinceridade que nos desarma, como a utilização do monólogo interior, julgo que inovador à época, conferem o toque de realismo que nos aproxima a nós, espectadores, da história, humanizando aquelas personagens.

Laura e Alec conhecem-se numa cafeteria de uma estação de caminho-de-ferro em Inglaterra da década de 40. Nada nos leva a suspeitar de que a infelicidade tomou conta das suas vidas, mesmo quando a convivência, que ambos tentam moldar de uma normalidade que sabem não o ser, os aproxima e abrindo-se ao amor. É essa ausência de causa exterior à qual pudessem atirar a responsabilidade do “fruto proibido”, que atormenta Laura (e Alec). A dualidade agridoce entre a agonia crescente e a paixão que a faz estremecer é tão bem vivida e contada por Celia Johnson que torna difícil não ouvirmos dentro de nós o eco das suas palavras, no tom com que ela no-las faz chegar, nos sentimentos que a atravessam.

Os planos, a fotografia e a utilização magistral da luz e da sombra são magníficos, assim como o emprego do som dos comboios a marcar os tempos da relação; o apito anunciador da alegria é o mesmo que faz cair a tristeza. E que perfeição conseguir acompanhar todo o filme com o Concerto nº 2 para piano de Rachmaninoff: Ao rever a obra, o concerto ganhou tanto, mas tanto que cheguei a casa e fui ouvi-lo… qualquer um dos três andamentos me transporta à Inglaterra da década de 40, à estação de comboios onde Alec e Laura se conheceram, ao café onde ouvimos os acordes ao piano com as chegadas e partidas como pano de fundo. Fecho os olhos e revejo o filme ao som de Rachmaninoff. Arte e Amor; e como Somerset Maugham escreveu em Servidão Humana: “Só o Amor e a Arte tornam a existência tolerável.

Breve Encontro

Argumento - 90%
Interpretação - 95%
Fotografia - 95%
Produção - 100%

95%

Pontuação Final

Uma história de amor intemporal - clássico dos clássicos

Tags

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close
Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: