CulturaLiteratura

Aparição

Como quase todas as obras que estudei na escola (Os Maias constituiu a excepção), não li a Aparição enquanto fingia dissecar a obra de Vergílio Ferreira no 12º ano. Não me recordo se apareceu no exame nacional mas se me tentou boicotar a nota, não foi suficiente para arrastar uma negativa.

Dar uma obra no ensino, muito mais do que instigar o meu gosto pela leitura, quase que o matou. Porque cada leitura (como quase tudo na vida) necessita do momento certo para ser apreciada. Forçá-la, com o diabinho a vociferar um sem número de notas que temos que tirar, frases para dissecar e dividir em orações, identificar figuras de estilo ou relacionar com uma tirada que se encontra no outro lado da obra, tiveram como única consequência afastar-me da Literatura Portuguesa. A disciplina de Filosofia contribuiu muitíssimo mais para o meu gosto pela leitura do que a cadeira de Português B.

Contudo, peguei n’Aparição no primeiro ano da faculdade e, começando a lê-lo com gosto, depressa me enfadei com a leitura e com o tema. O facto de as Álgebras e as Análises não estarem a correr de feição não ajudou o cérebro a libertar-se para poder apreciar a obra como deveria mas ainda assim, insisti na leitura – erro em que entretanto deixei de incorrer – para terminar o livro a odiá-lo.

Aos vinte e dois anos, quando já tratava a Matemática por tu, o momento chegou e, tendo pegado de novo no livro, adorei! Talvez o tema da morte, hoje tão fora de moda (veja-se a cinematografia de Bergman), me tenha despertado interesse mas foi sobretudo a sua antítese, a vida, e a justificação para a nossa breve permanência sob o seu domínio, que me fascinou (e ainda hoje fascina). Quase tudo o que escrevo, mesmo (ou sobretudo) em ficção, gira em torno da justificação da existência, de aproveitar o tempo que recebemos, constatarmos a maravilha que é estarmos aqui e agora; talvez por isso tenha amado a segunda leitura da Aparição; por ter tomado consciência de quão revolucionária pode ser esta descoberta. E se o é para mim, quanto não teria sido para a conservadora população de uma Évora demasiado rural no final da década de cinquenta quando Alberto Soares, o professor destacado por um ano para leccionar no liceu da cidade, aparece com a sua doutrina existencialista e instiga as mentes adormecidas a questionar a natureza da sua própria existência?

Uma obra maravilhosa em qualquer época e qualquer parte do mundo, de um escritor que poderia ser muito mais apreciado se o gosto pela sua leitura não fosse amputado à partida num programa demasiado esquemático, sem conceder aos amantes da Literatura a liberdade de que necessitam para se esquecerem de que são alunos e poderem ser, por momentos, sonhadores.

Tags

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close
Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: