fbpx
Bem-Estar

Tu, não sabes o que é o amor!

– E foi aí que lhe disse que ela não sabia o que era o amor.

– Que te respondeu ela?

– Não me deu grande resposta que me lembre. Não deve ter ligado grande coisa ao que lhe disse. Também, quando não se sabe o que é, o que se vai dizer?

– Deve ter sido exatamente o contrário.

– Não percebi.

– Deve ter deixado escapar um esgar de sorriso e sentido pena de ti. Deixou-te estar.

– Pena? Que raio dizes?

– Talvez hoje te tivesse dado ela a resposta.

– Porque o faria?

– Por me parecer que, hoje, por certo a entenderias.

– Que crês que ela me diria, neste instante, se lhe falasse de amor?

– Exatamente o mesmo que pensou no dia em que lhe disseste essa descabida frase.

– Descabida?

– Sim, que mais seria!

– Que me dirias tu se te dissesse que não sabes o que é o amor?

– Descobrirás que o amor, quando o é, auto-alimenta-se. Que o amor, quando o é, está numa bolha intocável, noutro sítio do mundo, para lá do óbvio. Não depende de retorno. O amor existe, só por si, sem que se esteja perto. A paixão… bem… a paixão é coisa de pele, carece de alimento, presença. É aquela coisa da chama que não se pode deixar de olhar. A paixão é fogo de se estar, o amor sobrevive ao não se estar. O amor, quando o é, não se arranca de maneira alguma, mesmo que se o queira. O amor guarda-se, arruma-se, mas se é amor… amor fica. E fica por dentro, em todo o lugar que pises no mundo. De que te ris?

– Não me espantaria se tivesse guardado essa resposta para não me a dar. Não a acreditaria.

– Hoje, era a conversa outra.

– Evidentemente.

– Já devia ela saber de amor o suficiente para saber senti-lo sem que amarre.

– Confundiste-me.

– Se te morre a paixão e não te morre o amor, que farás tu?

– Reacendo-a?

– Fosse a vida um apaga, acende e sopra. Apaga, acende e sopra. Não o é. Quando o amor amarra, o melhor a fazê-lo é libertá-lo, deixá-lo ir. O amor, quando o é, não há morte, deixa-se ir. Já ela conhecia de cor a impossibilidade de matar o amor. Pouco podes com quem está habituado a guardar amor. Não te deu, por isso, grande resposta. Saberia que chegaria o dia em que descobririas que o amor existe apenas, e no lado de dentro. Que podemos convencer o mundo da sua inexistência, que pouco importará se o sabes vivo.

– Hoje, sei. Só não sei porque não se escolhe ficar ao lado do amor.

– Porque, em vezes, estar ao lado amarra e o amor quer-se livre. Quem tem o amor dentro, se se deixar ficar por senti-lo, tem a sua vida à mercê dos amados. A vida é tanto mais que se em torno não nos fizer sorrir, que se o carregue dali para fora.

– Colecionou amores, portanto.

– Não se deixou à mercê da sua capacidade de amar. Primeiramente liberdade, que a vida é para agarrar. Quando não existe conexão, quando os tempos se afastam, o amor amarra. E este quer-se livre. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

– Continuo sem perceber alguma dessa lógica.

– Faltou-te o óbvio. Ter-lhe perguntado o que era para ela o amor.

– O que teria isso mudado?

– As palavras são só isso, o significado é o nosso. Disseste-lhe que não sabia o que era o amor, mas ainda hoje tu não sabes como ela o vê.

Gabriela Pacheco

Licenciada em Ciências da Educação e Formação. É Gestora de Desenvolvimento e Formação. Tem Certificado de Competências Pedagógicas, Certificação Internacional em Practitioner PNL – Programação Neurolinguística e curso de Graduação em Direcção Hoteleira. Escreve por inevitabilidade. Cultiva a paixão desmedida pela Arte, a Educação e a Formação naquilo que acredita ser a poção mágica para o desenvolvimento humano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
%d bloggers like this: