+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Não penses na dor que te mortifica

Não penses na dor que te mortifica e tolda os movimentos, não valorizes o que sentes, não fiques triste por nada e supera-te a ti próprio. Sempre. A vida surpreende-nos tantas vezes, e nem sempre é pelo bem que nos faz.

A ti que sofres na solidão da tua dor, peço-te que sintas apenas o que quiseres sentir … guarda para ti o que é bom e o que te faz feliz, sempre que consigas ignora o resto.

Como alguém dizia, o resto é isso mesmo, o resto, ou seja, o que sobra e tantas vezes o que já não importa.

Aproveita enquanto podes, vibra por pouco ou quase nada, e ri-te sem razão, ri sempre porque o riso te ilumina a alma. Não valorizes se te chamarem de louco ou tonto, sabem lá eles o que isso é, ou sequer o que estás a sentir. Agarra-te à vida e aproveita tanto quanto puderes, temos apenas uma e desperdiçamos tanto tempo com assuntos de escassa importância, vive o momento.

Compromete-te a ultrapassar o que não for tão bom e a retirar dessas situações a lição necessária para continuar, afinal estamos sempre em pleno processo de aprendizagem.

Não deixes que a tristeza te domine, ainda que o cenário envolvente não seja o melhor, já dizem os antigos que melhores dias virão, preparemo-nos então para eles, e para os aproveitar ao máximo.

Se estivermos demasiado absorvidos em pensamentos negativos, não conseguiremos perceber o que de espetacular continua a acontecer à nossa volta, e continua de facto. Nós é que ficamos reféns de uma qualquer situação, e por vezes não conseguimos perceber.

E o que é um facto é que a beleza está presente em cada dia da nossa vida, assim como a música, a poesia, o céu azul ou o brilho do sol. E tantas, tantas coisas bonitas para apreciar e aproveitar.

Por isso é importante o alento que teremos de procurar na dificuldade do dia a dia, na dor de cada momento triste, cada um terá os seus recursos naturalmente, aprendamos a valorizar a nossa vontade de ser felizes, e essa, só depende de nós e da nossa vontade.

Abraçar a vida, a nossa envolvência e deixarmo-nos ir, sem questões nem “ses”, seguir apenas o caminho, na procura do que nos realiza e construindo aquele que é o nosso percurso, que será no futuro o cunho que deixaremos neste mundo. O cunho da nossa vida!

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Inversão de papéis – Das Creches aos Lares e Centros de Dia

Next Post

Game Change

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

(Re)começar

(Re)começar, palavra simples de verbalizar mas tão difícil de aplicar na vida de cada um de nós. É uma palavra…

Aventura(s) na Lousã

Na verdade, foram duas (ou três, ou até quatro, conforme a lente com que filtre o passado) as “Aventuras na…