+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Um Arroz Doce com uma Pitada de Outono

Fui, durante muitos anos, uma péssima pasteleira! PÉSSIMA! A minha mãe cozinha divinamente e bem me tentou ensinar, mas eu queria era música e livros.

Em adolescente, era uma dondoca que só estudava e não queria saber de cozinha, tachos e cheiro a cebola e alho nas mãos. Além disso, não comia quase nada. Para quê preocupar-me em saber cozinhar? Batatas, ovos estrelados e bifes estava óptimo para mim e tudo isto me parecia extremamente fácil de confeccionar. No entanto, um dia, a comidinha da mãe e a vontade de satisfazer todos os caprichos à filhota acabou e vi-me com 22 anos na minha casa. Tinha de cozinhar…

A primeira vez que fiz sopa deitei-a toda fora. Parecia massa para estucar paredes, mas com cor. Refeição digna de uma Bridget Jones. Com direito a receita repetida pelo telefone e escrita para não errar. Ai, ai…

Volvidos todos estes anos, orgulho-me de dizer que já faço umas… coisitas. O que começou por obrigação e como a necessidadearroz aguça o engenho, transformou-se numa paixão que cresce todos os dias, apesar de ter penado muito para aprender. Hoje, posso também dizer que o meu ex-marido, homem muito corajoso no início da nossa vida em comum, foi a minha primeira cobaia, durante muitos dos anos de aprendizagem, e, mesmo estando (e eu sei que estava) a comida horrível nos primeiros tempos, tinha sempre um sorriso nos lábios e uma palavra de encorajamento. Aqui fica o agradecimento formal. No entanto, se existe uma área na qual ainda sinto alguns obstáculos, é nas sobremesas. E nessa época, a minha cozinha ficava a parecer um filme de terror e NUNCA me corriam bem. Não era a melhor pessoa para seguir receitas à risca.

Hoje, por estar desagradável, chuvoso e com um cheirinho a Outono, apeteceu-me arroz doce. Felizmente tenho a “cozinha mais pequena do mundo” para me ajudar nos doces, mas, ao preparar os ingredientes para o começar a fazer, sorri, porque lembrei-me de mais uma história, que me ajudou de alguma forma a ultrapassar as minhas próprias limitações.

Por altura da inauguração da casa do meu irmão e da minha cunhada, organizou-se um jantar de família. Aqui a voluntariosa, vá-se lá saber porquê, ofereceu-se para confeccionar o quê? A sobremesa. De vez em quando acontece: apanho sol a mais na moleirinha e dá-me para estes disparates. Enfim, depois de me dar conta da ideia parva que tive, ainda podia ter recuado e passado na Pastelaria mais próxima, mas nessa altura da minha vida, era impossível recuar fosse no que fosse.

Foi por altura dos Santos Populares e foi, por essa razão, a altura ideal para fazer arroz doce. Daquela vez, só por aquela vez, porque confesso que, depois da vergonha pela qual passei, não voltei a confeccionar doces sem ter em conta a proporção dos ingredientes, convenci-me que a minha força de vontade ia prevalecer em detrimento de umas gramas a mais disto, ou daquilo (quem disse que os confeccionar era uma ciência exacta, não percebia nada do assunto).

Lá fiz a sobremesa. Ficou lindo o meu arroz doce. Pedi a receita à minha mãe, segui escrupulosamente os passos que me deu e o resultado à vista foi brilhante. Cometi apenas um erro, o único que não podia ter cometido: não provei. Decorei-o com desenhos a canela e lá o levei para casa do meu irmão, toda orgulhosa com o resultado.

Jantámos no terraço, uma sardinhada regada a sangria, nesse final de tarde de Verão. A meio do jantar, alguém reparou que faltava um bocadinho pequenino de cimento no muro da varanda, tendo o meu irmão dito que iria ligar ao construtor para tratar do assunto. No final da refeição, lá veio o arroz doce lindíssimo para a mesa. Assim como veio, rapidamente voltou para a cozinha, directamente para o caixote do lixo, que é como quem diz, sem passar pela casa da partida e sem receber os 10 euros. Estava tão duro, mas tão duro, que ninguém iria conseguir comer aquilo.

– Mas eu cozi-o… – repetia eu, com um ar muito aflito e constrangido, perante a risota geral de todos os convivas.

Durante o meu momento calimérico do dia, a tentar justificar algo que estava à vista de todos, o meu irmão teve um rasgo de génio. Pegou num pedaço daquele arroz, do qual eu estava tão orgulhosa uma hora antes e tapou com ar de gozo, o buraco no muro da varanda. Não me orgulho nada de vos confessar, mas o que é facto é que se aguentou lá um ano. A minha sobremesa ganhou um novo estatuto: material para construção civil. Ainda hoje sou alvo de chacota, e nunca mais me ofereci para levar sobremesas nos jantares de família.

A primeira sobremesa que fiz na minha Bimby, quando ela chegou cá a casa, foi uma bela taça deste doce de colher. Esta é uma receita adaptada do seu livro base, cozinhado de forma tradicional, testada e (a)provada.

Vamos às compras?

Arroz Doce

Ingredientes

  • 600 ml de leite
  • 450 ml de água
  • 200 grs. de arroz carolino
  • Casca de 1 limão, 1 pau de canela
  • 1 pitada de sal
  • 160 grs. de açúcar
  • 2 gemas de ovo
  • 1 Pacote de pudim flan El Mandarim (mais conhecido por pudim do “chinês”)
  • Canela q.b.

E agora, preparar

O que parecia tão difícil é afinal tão fácil.

Cozer o arroz em água, com a pitada de sal, a casca e limão e o pau de canela – Check.

A água já evaporou e vamos juntar o leite, deixando o arroz a acabar de cozer em lume brando. Retiro um pouco desse leite ainda quente, junto as gemas, o pudim flan e o açúcar, envolvendo bem e misturando de seguida no arroz, para que a mistura coza. Importante: lume brando e não deixar ferver.

Retirar, empratar e, depois de frio, decorar com: canela em pó, raspas de lima, laranja, ou limão, chocolate em lascas, amêndoa, ou pinhões torrados, ou açúcar demerara, que podem queimar com um pequeno maçarico, como se de Leite-creme se tratasse… o que vos aprouver.

Como vêem, não podia ser mais simples…

Share this article
Shareable URL
Prev Post

[Opinião] Matar, ou Não Matar: Eis a Questão

Next Post

Nicolau II, o último dos czares

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Burnout em mim

Tudo começou com um novo projecto. De repente, as preocupações extravasaram o período de trabalho, e invadiram…

Disciplina como valor

À primeira vista, os monges podem ter pouco a ver com os guerreiros samurais, mas ambos os lados assentam os…