fbpx
CulturaLiteratura

Stoner

Lembro-me com clareza do momento em que comprei Stoner. Deambulava pela loja à procura de algo novo e deparei-me com um livro velho. Tinha trinta e cinco anos e, tendo presente que a Arte consubstancia, além do Ser Humano, a única busca conscienciosa para nos surpreendermos, eu procurava uma obra diferente das que tinha em casa.

Na livraria, li que o livro havia sido escrito em 1965, que somente tinha vendido cerca de dois mil exemplares, que o seu autor, John Williams (não confundir com o compositor) havia publicado quatro obras em toda a vida, que fora professor universitário, e que esta obra o havia resgatado ao esquecimento, quiçá eterno, devido à tradução da escritora francesa Anna Gavalda em 2013. Começava então a segunda parte de uma bonita história, da qual me orgulho de fazer parte, em que um coro de anónimos e figuras da Literatura, através da leitura e do testemunho, puderam elevar Stoner – e o nome de John Williams – ao lugar onde, apesar de ele nunca o ter sabido, sempre mereceu estar: nas palavras do jornalista Bryan Appleyard “[Stoner] é o melhor romance que ninguém leu.”.

Apesar de a acção decorrer na primeira metade do séc. XX, Stoner é o mais autobiográfico dos livros de Williams (não é difícil tendo em conta que Butcher’s Crossing (1960) se passa no século XIX e Augustus (1972) no tempo do Império Romano) e conta a vida de um professor universitário desiludido. Desiludido com a vida e com a carreira, refugia-se, apesar de tudo, na profissão para fazer da existência algo de meritório. É um livro triste e belo, demasiado belo para ser esquecido, demasiado realista para nos esquivarmos à empatia que sentimos pelo professor Stoner, demasiado triste para, aqui e ali, não deixarmos de nos identificar com o sentimento deste ser tão solitário. Todos nós, no fundo de nós mesmos, somos solitários. Stoner (Williams) só teve a coragem de o assumir.

E no entanto… é tão simples a escrita que nos magoa o ego, a nós que amiúde julgamos ser com tiradas para a posteridade ou retalhos de escrita poética que se constroem obras de valor. Williams suporta-se de uma bela história e de uma simplicidade desarmante. Poderá ter sido também por isso que a obra rasgou as décadas deste hiato para mostrar às gerações futuras que nem sempre é na diferença ou na inovação que reside a surpresa. A simplicidade também nos pode surpreender.

(…) aprendeu o que outros, muito mais jovens do que ele, tinham aprendido antes de si: que a pessoa que amamos no início não é a mesma que amamos no fim, e que o amor não é uma meta e sim um processo através do qual uma pessoa tenta conhecer outra.

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
%d bloggers like this: