+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Sonhar em Tempos Adversos

Nascemos e somos criados numa cultura que, desde muito cedo, nos convida a sonhar. Neste sentido, o sonho não se define como a atividade onírica (não se trata das projeções criadas pelo nosso cérebro enquanto dormimos), mas antes de um projeto para a vida, algo cuja sua concretização fará com que atinjamos o ponto mais alto e mais significativo da nossa existência.

É possível então afirmar que o sonho tem um importante papel: o de provir a nossa vida de sentido. Enquanto houver um propósito, toda a ação humana estará justificada. Desta forma, e tendo em vista um fim último que se sobrepõe à trivialidade da vida, o sonho permite-nos suportar e ultrapassar as vicissitudes. Pode-se então dizer que, para além de atribuir sentido, o sonho tem também o a importante papel de nos motivar e de nos munir de resiliência perante as adversidades.

Conforme vamos crescendo, os nossos sonhos vão assumindo contornos mais objetivos e pragmáticos. Na infância, deixamos a concretização dos nossos sonhos nas mãos dos nossos cuidadores, mas com o passar dos anos e com a aproximação da idade adulto passamos nós a assumir essa responsabilidade. Esta transição tende a ser acompanhada de ansiedade e medo, afinal de contas passamos a ser nós próprios (em boa parte) a assumir os riscos das nossas escolhas. Popularmente diz-se que é nisto que consiste ser adulto: a responsabilidade pelas nossas ações, incluindo aquelas que nos levam à concretização dos nossos anseios.

É também com o aproximar da idade adulta que nos apercebemos de que a concretização dos nossos objetivos não depende exclusivamente do nosso desempenho. Por vezes, parece que o mundo funciona de tal forma que a concretização de sonhos individuais não é uma prioridade – ou nem sequer é uma possibilidade. Perante as necessidades de se ter uma casa, um emprego e uma vida minimamente decente, as nossas prioridades vão-se ajustando. Muitas das vezes, com todos os ajustes, os sonhos vão progressivamente deixando de ser projetos para se tornarem memórias – ou fantasmas.

A atual sociedade funciona a um ritmo muito acelerado, principalmente devido ao paradigma da produção. Vivemos cheios de pressa, em rotinas caóticas entre oito horas de trabalho, algumas horas para dormir e tratar de afazeres domésticos e, se for possível, alguns minutos para apreciar  facto de estarmos vivos e bem. Cada vez trabalhamos mais e com mais afinco. Mesmo quando não estamos em horário de trabalho, estamos a pensar no trabalho ou a planear o trabalho do dia, da semana ou do mês seguinte. A importância e o valor do trabalho não devem ser reduzidas, no entanto importa considerar que a nossa cultura atual transformou o trabalho numa obsessão. Em “A Sociedade do Cansaço”, Byung-Chul Han retrata esta relação tóxica entre os trabalhadores e o trabalho. Byug-Chul Han refere ainda que tendemos a exigir cada vez mais de nós em função de um tipo de produção que parece não ter limites, o que resulta numa sensação de “não se ser bom o suficiente”, em frustração e, não raras vezes, no desenvolvimento de patologias psiquiátricas.

É nesta sociedade obcecada pelos resultados, pela produção, pelo crescimento dos lucros que, com o passar do tempo, a nossa criatividade vai-se desvanecendo. A criatividade, esse característica tão bem desenvolvida e tão expressiva durante a infância, vai sendo substituída pelo cansaço e pela letargia.

O tempo verdadeiramente livre que nos resta, em que poderíamos ler uma obra ou ir a um concerto, é cada vez menos. A relação entre a criatividade e a arte não nos é estranha, parece até ser algo que facilmente conseguimos intuir. Não é à toa que as crianças (altamente criativas) são propensas à expressão artística. De igual forma, poderemos facilmente deduzir que também há uma estreita relação entre a criatividade e o sonho. Afinal de contas, o sonho é uma expressão da nossa capacidade de criar. Neste sentido, a contemplação da arte, e nas suas mais variadas expressões, é como que um combustível para os nossos processos criativos e, em última estância, a matéria de que são feitos os sonhos. Como escreveu Oscar Wilde, “a vida imita a arte mais do que a arte imita a vida”. Numa cultura fortemente enraizada no crescimento material e na subjugação das pessoas à produção desenfreada, o tempo para a contemplação da arte (e mesmo da vida) tende a desaparecer e, com ele, a nossa criatividade e os nossos sonhos.

Embora os tempos atuais pareçam ser adversos para quem sonha, sonhar não deve ser de todo desencorajado. Afinal, o sonho continua a ter a importante função de atribuir sentido à nossa vida e de nos motivar diante os obstáculos e as provações. Mais do que nunca é importante sonhar. Perseverar enquanto sonhadores num mundo que quer capitalizar a nossa existência é um verdadeiro ato de rebeldia e de transformação. Com disciplina, com coragem e sabedoria é possível viver pacificamente nesta cultura capitalista sem que sucumbamos à sua toxicidade e, assim, poderemos seguir caminho rumo aos nossos sonhos, inspirando as pessoas à nossa volta e contribuindo para a mudança a uma escala maior.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

A Proposta

Next Post

O Salvador da Pátria

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Ando por aí!

Há tanta coisa que me vai passando ao lado, detalhes em que só reparo quando já não posso voltar atrás. Não sou…

A semente do Potencial

A semente quando começa a sua jornada não o faz por sentir ter chegado o momento certo, ela simplesmente está no…