fbpx
Bem-EstarLifestyle

Rostos

Por entre a multidão, olho freneticamente procurando um rosto que me diga algo, que me faça sentir alguma coisa.

Verifico que não existem rostos de capa de revista e todos me parecem feios, cansados, completamente normais. Não existem belezas incomuns. Todos e cada um dos rostos para que olho parecem normalíssimos: uns com olheiras, outros com narizes enormes ou demasiado pequenos. Narizes arrebitados, tortos ou abatatados. Marcas de nascença. Sardas, bigodes no masculino e outros no feminino.

Ares carregados, sobrancelhas franzidas. Pessoas com as mais variadas cores de pele e dentro da mesma cor, tantas tonalidades.

Casais que se diria não serem compatíveis, pois junta gordos a magros ou baixos a altos. Agrupam-se em número e género diferentes. Ou sós. Roupas de toda a espécie e de todos os feitios. Muita cor, demasiadas combinações. Rostos maquilhados em excesso, outros sem um bocadinho de cor sequer. A beleza parece não existir. Pessoas a movimentarem-se de um lado para outro, com alguma pressa ou apenas andando.

Cruzo-me com rostos e rostos.

Sei que qualquer um deles esconde a beleza de um ser, amado por alguém, impresso num sorriso que não mostram.

Rostos fechados, que recolhem em si a própria magia da revelação, quando soltam a expressões de alma interior.

Não é isso que vejo.

Apenas me concentro no exterior e verifico que não há dois rostos iguais, mesmo aqueles que são parecidos.

Entendo que somos todos diferentes e que, apenas olhando, não distingo os seus interiores, os seus interesses, a magnitude de cada um. Serão bons, maus? Terão interesses parecidos com os meus? Verão o mundo como eu? Certamente que não. Sexualidades diferentes que não se distinguem pelo olhar ou não se transmitem de maneira nenhuma que não seja a própria natureza.

No rosto, ninguém tem escrito a sua educação, a sua sabedoria, as suas crenças, nem sequer a sua ignorância.

Somos todos rostos diferentes e somos apenas a capa para algo bem maior, bem mais profundo, bem mais valioso.

Cada rosto feio transforma-se, miraculosamente, num ser incrível quando o descobrimos, quando o desvendamos.

Por outro lado, a beleza que nos vendem na televisão e nas revistas, nem sempre escondem coisas bonitas, mas sim muito artificialismo e pouca naturalidade.

Ana Marta

Ana Marta, nascida em Sintra a 22 de Abril de 1971 e mãe de 3 filhos, desde cedo revelou o seu interesse pela escrita e pela Literatura, começando por escrever pequenos poemas durante a adolescência, época em que estudava Literatura Portuguesa. Ávida leitora desde que aprendeu a ler, sempre consumiu livros dos mais variados géneros literários e escrevia, em diários, textos sobre o que o seu coração sentia. Algumas décadas mais tarde, viria a publicar num blogue intitulado "Inexplicavelmente", textos da sua autoria e que, mais tarde, atraíram milhares de seguidores na sua página de Facebook, atualmente "ANA MARTA". Em 2020, lança o seu primeiro livro "Inexplicavelmente".

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
%d bloggers like this: