fbpx
Sociedade

Os anjos que por cá andam

Ontem saí para comprar pão fresco e, na entrada do prédio, cruzei-me com uma senhora que com a voz mais doce do mundo me questionou se podia colocar máscaras feitas por ela nas caixas de correio.

Nos seus braços, trazia tesouros raros. Enterneceu-me a sua bondade.

Olhei-a nos olhos e, por detrás daquela burka ocidental, compreendi a verdadeira dimensão de humanidade.

Logo ali apeteceu-me dar-lhe um abraço, daqueles que faz estalar os ossos das costas, mas, num turbilhão de emoções interiores, limitei-me a dizer muito obrigado.

Mais tarde, zanguei-me comigo mesma por não trazer no bolso um manifesto de agradecimento para prestar homenagem a todos os anjos que se cruzam no meu caminho. E ultimamente tenho visto várias asas.

Nunca, como hoje, a frase “o Bem faz-se bem e em silêncio” fez tanto sentido. Esta proposição foi uma lição de vida apreendida na paróquia de Cuamba, uma cidade perdida no norte de Moçambique, onde o pouco que se faz se torna muito.

Pelo que percepciono, outro vírus tem tomado grandes proporções, o da solidariedade. Que se torne igualmente uma pandemia, do que de mais autêntico e benevolente trazemos dentro de nós.

O meu bairro é o melhor de Portugal.

Até os melros se mudaram para as nossas árvores. Que tempos extraordinários estes.

Patrícia Carvalho

Olá. Nasci sob a égide do Dragão. De mim saiem fagulhas de luz e de sombra. Acredito no Amor como força motriz. Gosto de olhar nos olhos. Todos os dias encanto-me com a magia da vida. Sou isto e mais uns pozinhos de perlimpimpim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
%d bloggers like this: