+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Finalmente, ligaram as máquinas

Neste momento, o barulho característico das rotativas e o cheiro a tinta fresca nas tipografias do BCE enchem caixotes e caixotes de notas de euros para comprar dívida pública.

Numa tarde fria de Janeiro, o BCE, pela voz do seu presidente, Mario Drahgi, deu um banho de água gelada à chanceler alemã. Na água do banho da senhora Merkel, foram os fundamentalistas da austeridade, neoliberais encartados e outros devotos do “livre funcionamento do mercado”. Neste ramalhete, entre nós, destaque especial para todos os que, no governo, a começar em Passos Coelho, ou nas suas redondezas, fizeram da senhora Merkel uma espécie de santa da Ladeira e da austeridade uma religião.

Neste momento, o barulho característico das rotativas e o cheiro a tinta fresca nas tipografias do BCE enchem caixotes e caixotes de notas de euros. O objectivo é imprimir 60 mil milhões de euros por mês, durante, pelo menos, 18 meses, para comprar aos bancos dívida pública e privada. Não é necessário consultar o manual de instruções para perceber que as medidas anunciadas por Mario Draghi, com início de execução marcado para Março, são a última solução ao alcance do BCE para retirar a economia europeia do poço para onde foi atirada pelos fundamentalistas da austeridade.

A solução imposta pela Alemanha para superar a “crise das dívidas soberanas”, nos últimos quatro anos, lançou a Europa numa agonia sem fim à vista. Uma economia estagnada, sem crescimento visível e a entrar em deflação. As consequências são dramáticas, sobretudo, para os povos do sul, desde a Grécia a Portugal, passando pela Espanha, Itália, ou França, atingindo níveis de desemprego, de empobrecimento das classes médias, de miséria crescente nunca vistos depois da II Guerra Mundial. Por sua vez, o Estado – em muitos casos por razões ideológicas – demitiu-se das suas funções essenciais na saúde, na educação, na solidariedade social. Os vendilhões diziam, então, que tinha de ser assim. Não havia outra maneira. “Não há dinheiro” e “vivemos acima das nossas posses” eram as frases que sustentavam o massacre da austeridade. Quem dissesse – e foram muitos os que o disseram – para o BCE pôr as tipografias a imprimir notas era tido por tresloucado. Quase um criminoso. As medidas agora anunciadas pelo BCE provam que outras soluções eram possíveis e desejáveis para superar a crise da dívida soberana. Só que os talibãs de Bruxelas e Berlim não permitiram. Agora, passados quatro anos, com o sistema bancário desacreditado, com os temores criados a famílias e empresários, estas medidas pecam por tardias.

A Europa está deprimida e dividida. Os povos europeus estão revoltados com os dirigentes políticos que nos conduziram para este lamaçal. O descontentamento e a revolta surgem por todo o lado. Os cidadãos europeus querem mudar os seus representantes políticos. Querem mais transparência, mais democracia, maior participação. Querem mudanças significativas. Joseph Stiglitz, prémio Nobel da Economia, escrevia há dias: “O problema não é a Grécia. O problema é a Europa. Esta loucura económica não pode continuar para sempre. A democracia não o permitirá”.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

André Cruz depois da fama

Next Post

O Lado Negro do Petróleo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next