CinemaCultura

A Revolução Silenciosa

Quantos filmes “baseados numa história verídica” se perdem em invenções para prender o interesse ou, mantendo-se fiéis à verdade, vêem fugir a centelha do fascínio?

Decidi ver A Revolução Silenciosa (2018) pela curiosidade que me suscitam as histórias do antigo bloco de leste, por gostar de cinema alemão e por permanecer pouco tempo em cartaz.

Na sala vazia (eramos dois na assistência), enquanto aguardava o início do filme, o sono foi tomando conta dos momentos em que a publicidade me embalava… abri os olhos pela primeira vez quando começava a sonhar com um tigre na selva; da segunda, já com os estúdios e a distribuidora do filme a iluminar a tela, foi uma rapariga quem me apareceu no sonho. O filme começou e, por magia, o sono desapareceu.

A história (verídica) surpreendeu-me como há muito um filme não o fazia.

Eu esperava algo de cariz político, um retrato de época onde os comportamentos, os costumes e a repressão conduzissem os acontecimentos. Assim foi. Mas a surpresa veio com o que o filme me ofereceu, para lá desta “demão” já tão saturada: uma dimensão humana tão sincera que as lágrimas me afloraram aos olhos por duas vezes. O impacto dos dramas é maior quando eles são reais, mas se a representação é má, o efeito dilui-se num marasmo desconexo de realidade. Neste filme, o drama humano ataca o espectador com uma força que vai muito além da questão política, em particular, do acontecimento que origina toda a história.

O interrogatório persecutório aos alunos

Em 1956, cinco anos antes da construção do Muro de Berlim, uma manifestação contra o regime em Budapeste foi violentamente esmagada pelas forças soviéticas. Em Stalinstadt, cidade situada na ex-Alemanha de Leste junto à fronteira com a Polónia, um grupo de estudantes decide fazer dois minutos de silêncio no liceu em homenagem às vítimas da repressão na Hungria.

Um encadeamento de reacções e descobertas vem expor o que de pior (e de melhor) o ser humano tem. Na investigação que se segue –“pidesca” ao nosso jeito; “estalinista” no contexto da realidade retratada – os heróis são anti-heróis e a resignação e revolta alternam, qual reacção em cadeia que se propaga ao sabor da repressão com que o regime aniquila qualquer expressão de individualidade e liberdade.

O que eu julgava não ser verdade revelou-se real (soube-o antes dos créditos finais) o que bastou para me deixar algum tempo pregado à cadeira a digerir o que acabara de ver. Como deve ser horrível viver perseguido por um regime que nos priva da liberdade para afirmar o que temos de mais nosso: nós próprios… se um sistema não nos permite ser quem somos, de que serve viver?

Os acontecimentos moldam as pessoas desta história. Os passados escondem-se e os presentes corrigem-nos, sendo na nova geração que reside a esperança de mudança. Poucos são os inocentes quando a humanidade emerge, e na vida real eles não existem: há pessoas que cometem erros cujas consequências são imprevisíveis; há pessoas que crescem na sinceridade com que desafiam a História das probabilidades, tentando emendar o que foi feito; e há vítimas de um passado que não é delas mas cujos efeitos não conseguem evitar.

Brilhante na realização, na construção da história e nas interpretações.

Dramático na relação do Homem com o seu meio.

Por longas horas não voltei a ganhar sono.

A Revolução Silenciosa

Argumento - 80%
Interpretação - 70%
Fotografia - 80%
Produção - 85%

79%

Pontuação Final

Um verdadeiro murro no estômago

Tags

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: