CulturaLiteratura

Ver o mundo com outros olhos

Em Londres, numa estação de metro, vai ser criada uma máquina que, em vez de chocolates e sumos, vende histórias. É paradigmático esta ideia inovadora. Num mundo cada vez mais tecnológico, onde as pessoas encontram o seu refúgio num ecrã, a simplicidade de uma conversa perdeu todo o valor, toda o foco e prioridade. Estamos mais preocupados connosco, numa visão egocêntrica do dia-a-dia onde não há espaço para as coisas simples. Não há espaço para um encontro, ao acaso, com uma nova alma, uma nova vida, com quem inevitavelmente podemos aprender coisas novas, e ver o mundo com outros olhos.

“O que motivou a ideia foi o facto de andar de metro todos os dias e ver toda a gente com o olhar colado às apps, aos jogos e aos tweets. Então, a ideia de usar este bocadinho do nosso tempo em algo que nos entretenha e que é muito pequeno, como a literatura, é bastante atraente”, explicou ao jornal britânico “The Guardian” o escritor Anthony Horowitz, que é um dos autores cujas histórias vão estar disponíveis.

Toda esta tecnologia deve ser um apêndice, algo que nos facilite a vida mas que não seja uma extensão do corpo. Algo que não substitua a nossa individualidade enquanto ser humano, algo que não nos auto-sabote a alma, mas que incentive o encontro inter-pessoal, a entreajuda, o desenvolvimento da nossa interioridade.

Ao estar no metro, com esta iniciativa, seremos capazes de, pelo menos por um momento, nos abstrairmos da realidade, encontrarmos, em nós, o essencial de uma história, de uma mensagem que ultrapassa todas as concepções, que nos acrescente algo sem alimentar o vazio atroz em que vivemos. Tenhamos a noção que é no outro e a partir de nós que a humanidade começa a ganhar toda a sua expressão, paixão e eternidade.

Encontremos numa pequena história tudo aquilo que está imerso em nós e transponhamos o nosso mundo interior na felicidade de um encontro ficcional de toda a humanidade.

Tags

Tiago Ferreira

Um jovem sonhador, com uma atitude sagaz e espírito crítico, que gosta de estar a par da actualidade e de, sobretudo, questionar as entrelinhas. Centrando-me no essencial, gosto de acrescentar uma visão muito pessoal às coisas e de, acima de tudo, partilhar a minha verdade. Apaixonado por cinema, devoro literatura — sobretudo fragmentos e poesia —, e a escrita é a paixão primordial desde sempre. O grande desígnio passa por fazer a diferença no mundo através da sensibilidade e humanidade que fazem de mim um poeta da simplicidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: