fbpx
CinemaCultura

O Grande Amor da Minha Vida

O Grande Amor da Minha Vida é talvez o filme que melhor veste o imaginário do cinema romântico clássico. Contudo, esta versão (a que o público recorda com mais carinho) é um remake que Leo McCarey fez em 1957 de um filme que o próprio havia realizado com sucesso no glorioso ano de 1939 (cinematograficamente falando). Ele e Ela, com Charles Boyer e Irene Dunne, havia sido nomeado para Melhor Filme, mas num ano que viu estrear E Tudo o Vento Levou, O Monte dos Vendavais, Adeus Mr. Chips, Peço a Palavra ou O Feiticeiro de Oz, o filme ficou-se pelas nomeações e pelo amor do público.

Dezoito anos mais tarde, um McCarey mais maduro voltou a pegar na história e, contando com dois colossos da sétima arte – Deborah Kerr e Cary Grant – fez História. Foi em televisão que vi o filme pela primeira vez, revendo-o anos depois na Cinemateca, pois o grande ecrã faz milagres, capaz de apurar o ouro da nossa percepção na matéria que já trazia nível de excelência. E como é belo assistir ao encontro entre Nickie Ferrante e Terry McKay, que se apaixonam a bordo de um navio com destino a Nova York. Ambos são comprometidos, combinando encontrar-se daí a seis meses no topo do Empire State Building (“nearest thing to heaven”). Se algum deles não aparecer, era porque a relação não tinha que ser.

Curiosamente, havia passado por esta obra no filme de 1993 com Meg Ryan e Tom Hanks, Sintonia de Amor, quando o clássico para o qual este filme nos remete é precisamente a versão de 1957 de McCarey: o encontro marcado pelo filho de Hanks através de um programa de rádio, na tentativa de encontrar uma parceira para o pai, no topo do arranha-céus nova-iorquino, evoca a magia deste clássico.

E é mesmo magia pois se estacionarmos a emoção e analisarmos o filme a régua e esquadro, estragamo-lo. O Cinema (ou a Arte) é o mundo das sensações que mexem connosco. Assim, O Grande Amor da Minha Vida, como tantos filmes que polvilham estes mais de cem anos de magia, é um grande filme não o sendo. O público tratou de ir acarinhando a obra ao longo das décadas em que ela, tal como o vinho do Porto, foi melhorando.

Resta-nos deliciar com a versão original, com o remake, o remake do remake (de 1994 com Warren Beatty e Annette Bening) ou a obra evocativa com Hanks e Ryan. Seja de que forma for, por mais pindérico, datado ou irreal que as histórias no grande ecrã possam ser, é também para sermos arrancados à realidade que gostamos de viajar pelos filmes. Se assim não fosse, o cinema não faria sentido.

O Grande Amor da Minha Vida

Argumento - 75%
Interpretação - 85%
Fotografia - 85%
Produção - 75%

80%

Pontuação Final

Um clássico romântico por excelência

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.