+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Pós de prata

Abria a janela e espreitava as ruas à espera de ouvir vozes, pensamentos incertos, queria saber se as pessoas tinham voltado a passear as suas tristezas com trelas de prata. Respirava fundo para sentir se o cheiro que queimava as pedras da calçada era ainda o do medo disfarçado de silêncio. Não queria que ele entrasse e vivesse entre as fendas das paredes e da pele.

Abria e fechava janelas. A esperança era uma lagarta encolhida num alvéolo do seu pulmão. Não a deixava respirar bem, mantinha-a numa cela feita de ilusões. Um dia, iria tossir uma borboleta. Talvez então se sentisse aliviada. As asas que lhe dariam a liberdade ainda eram pequenos embriões de sopros ou de choros que se ouviam muito ao longe.

À janela, lia, pensativa. Sentia-se idosa nos seus jovens vinte anos. Os que passavam, poucos, escondiam-se de emoções e de sonhos. Ela lia as almas que ainda se atreviam a ter corações a bater. Cosidos com finas linhas de sonhos pueris e desgostos de rasgar cartas que jamais seriam escritas. Sangue seco com crostas de saudade, assim eram os passeios onde a prata não tinha ainda chegado.

Bateram-lhe à porta. Era inegável ouvir a solidão nos nós dos dedos que estavam do outro lado. Andou com dificuldade; a vida tinha a mania de se alojar nas articulações e pesar-lhe. Abriu e espreitou para a escuridão do prédio.

“Desculpe, é a senhora que vende as correntes de prata?” uma voz suave.

Virou a cabeça para trás e olhou para as trelas que tinha penduradas no tecto. Correntes grossas e finas, entrançadas, simples, redondas. Esmerara-se tanto a fundi-las, a moldar cada aro, a torná-las bonitas para que as pessoas soubessem que podiam carregar as suas dores com algum encanto. E agora há tantos anos que estavam cheias de pó e de abandono.

Aquela pergunta seca e educada levou-a a tempos em que a prata tinha um outro valor. Não de juntar elos que se isolaram, mas sim dedos inocentes que se uniam. Por momentos, tocou na memória do dia em que recebeu o seu primeiro anel de amizade. Eram dias de claridade sem agulhas finas onde os apertos de linha se faziam sem dificuldade. Os joelhos ainda não sabiam o que eram saudades e por isso sorriam como se fossem pequenas hienas.

Olhou para os dedos. Que seria feito dos anéis? Depois recordou. Sim, já não se podiam usar, eram símbolos de alegrias e tinham sido banidos. As dores tornaram-se obrigatórias e tinham que ser passeadas, com rotinas certas, para não se transformarem em monstros de cabedal. A comunicação era nula, pois o som da prata abafava os pensamentos.

“Sim, sou eu. De que tamanho é a sua dor?”

A voz surpreendeu-a. Há quanto tempo não falava? Desconheceu-se e, no entanto, não deixou de gostar de se ouvir. Era aquela a sua voz? Parecia-lhe desprovida de alma, a tal que ela colocava nos encaixes que se uniam de forma arbitrária.

Pela janela aberta, aventurou-se uma ave minúscula que veio pousar na sua mente. Sentiu um bater de asas nos pulmões. Era real ou apenas a vontade de tudo voltar a acontecer?

Share this article
Shareable URL
Prev Post

A prostituta de Santa Marta

Next Post

Agora que morri

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Nada em ti

Não há nada de nada em ti. Nada. Esse olhar que guarda tudo aquilo que eu quero compreender, que exige silêncios…

Desequilíbrio

"Fecho os olhos, desejando não ter entornado contigo toda a felicidade que me foi destinada. Se for finita, se…

De perna esticada

Poder estar de perna esticada sem que nada nos apele a uma resolução é daqueles momentos impagáveis. Significa…