+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

A pergunta que toda a gente faz: Trabalhas?

Se existe povo curioso, certamente é o português. Também sofro desse mal, não fosse eu formada na área da Comunicação. A curiosidade é natural e é bem-vinda pela nossa saúde mental. Porém, tal como o amor é muito próximo do ódio, a curiosidade é muito próxima da intromissão. Nos dias de hoje, o mais certo é a pessoa conhecida com que te cruzares na rua perguntar-te, depois de um “olá” e um sorriso desafiador, “trabalhas?” Eu, que não vivi outro tempo, só posso falar do meu. Presumo que antes fosse mais do género: “onde trabalhas?”. Claro, sem esquecer o velho clichê: “quando casas?”.

A intenção deste artigo não é radicar este hábito tão português de querer saber tudo sobre a vida dos outros. Longe disso. Faz parte do nosso ADN. São estas pequenas intromissões subtis que tornam os latinos num povo hospitaleiro. Porém, às vezes, é aconselhável, as pessoas conterem-se mais uns minutos. É que pelo menos não parecem tão óbvias e pior – intrometidas.

Dá a impressão que a crise trouxe consigo a selecção, perante a sociedade, dos que trabalham, por um lado, e dos que não trabalham, por outro. Por vezes, penso que seria mais fácil se tivéssemos escrito na testa “tenho emprego”, ou “estou desempregado”. Ao menos, pulava-se esta fase do diálogo e evitava-se ouvir expressões tão batidas como “isto está mal”, ou “não há trabalho”. Acredita, ouvir isto todos os dias, é cansativo.

As pessoas até nem perguntam por mal. Eu sei. No entanto, para quem está sem trabalho há algum tempo é uma questão dolorosa. Aliás, já estás à espera que te perguntem (mais uma vez): “trabalhas?”. É raro o dia em que isso não aconteça. Comparo a um martelo que está sempre a bater-te na nuca: “emprego, emprego, emprego, emprego”.

Para aquelas pessoas mais frágeis pode até ser um hábito perigoso. O último empurrão para o isolamento e consequente depressão. É uma realidade com que coabitam todos os dias e o facto de a sociedade, em geral, estar sempre a massacrar com perguntas não ajuda, muito pelo contrário. Não digo para as pessoas deixaram de perguntar, porque no fundo, na grande maioria das vezes, é sinal que se preocupam. Digo, sim, para terem mais cuidado com a forma como o fazem. Se ainda há uma semana o fizeram, para quê voltar a perguntar o mesmo?

Já observei situações como a de perguntarem sem antes dizerem um simples “olá”, ou um mero “tudo bem?” Como pessoa integrante da sociedade, penso que é bem mais educado preparar antes o terreno do que lançar de imediato a farpa. Com essa atitude, corre-se o risco de não receber do outro lado a resposta pretendida. Quem está no desemprego o que mais precisa é de motivação e de muita energia positiva. Um povo mais confiante é certamente um povo mais feliz. Pensa nisso.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

A desmaterialização da música

Next Post

Qualquer dia é um bom dia para mudar

Comments 1
  1. Outra pergunta frequente que muitos portugueses adoram perguntar é “então ainda namoras com…?” ou “ainda estás junto com…?”. A coscuvilhice está-nos nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Assim como tu

Nunca corras. Nunca olhes para trás, mas não deixes de tentar perceber, se ainda te perseguem. Quando enviares o…

Palavras no pódio

Eugénio de Andrade escreveu: ”são como um cristal/as palavras./Algumas, um punhal,/um incêndio./Outras,/orvalho…

O Abreu maluco

Há sempre uma personagem na nossa vida que deixa um rasto de boa disposição e saudade. Uma delas foi um…