fbpx
LifestyleViagens

Uma Viagem ao Castelo de Lejondals

Por mais bem-intencionados que sejamos, alguém acredita que, ao enviar um colaborador à Suécia para um workshop sobre seguros de energia, mais concretamente a Estocolmo, e se quisermos ser mais precisos, para um castelo à beira de um lago semi-isolado da civilização, ele vai tirar algum tipo de rendimento?

Claro que vai: eu tirei, um frio do ca%&*#lho em pleno mês de Fevereiro, noite às quatro da tarde e uma aventura bem passada com o António, o Luís e a Carla.

Havia pisado solo sueco pela primeira vez seis meses antes, quando fui “marcar território” a Malmo, aquando da viagem a Copenhaga, e colocar um visto no quadradinho do país dos ABBA. De Estocolmo haviam-me dito maravilhas, só que nós íamos ficar nos arredores. Após quatro horas de voo onde nos serviram uma micro-sandes e duas bolachas com uma bola de queijo, chegámos muito a tempo do jantar (“de boas vindas”) com um convívio ameno em bar aberto. Nos três minutos a pé que durou o regresso ao chalet, junto do lago, por pouco não me caía a ponta da penca, com a temperatura a equilibrar-se nos 0 ºC.

Escrevi à janela, virado para o lago imaginado que a noite escondia e na manhã seguinte despertei cedo e foi o sonho: uma fina camada de gelo cobria o Lejondalssjon (viria a saber mais tarde que era fina, ao perguntar, no castelo, se podia pisar) e pude-me demorar por ali, como se passeasse no cenário de um filme fantasmagórico (percebi porque é que estes tipos são meios chalupas, com tarados, psicopatas, bêbedos e deprimidos: com noite e frio, este enquadramento convida mesmo a uma bebedeira e um assassinatozinho).

Sobre o curso, não me lembro absolutamente de nada! Estávamos no início da era Covid e por cá a directora geral de saúde dizia que o vírus não ia chegar a Portugal. Na Suécia já havia um caso ou outro, mas nada que assustasse. Furtámo-nos ao almoço do último dia para irmos conhecer Estocolmo: uma desilusão, pelo menos face à expectativa que eu levava na bagagem. Não fosse a companhia e os pins que comprei para oferecer (e que ainda hoje não sei onde os pus), e diria que fui a Estocolmo rapar um frio do ca%&*#lho e torrar 22€ num hambúrguer ressequido.

As viagens profissionais valem por estas modernices: os cagões chamam-lhe networking; eu chamo turismo, mas agradeço o eufemismo, caso contrário, dificilmente nesta vida ou até mesmo na próxima eu colocaria os cotos no Castelo de Lejondals.

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.