CulturaCultura

O que é um milagre? Qual é a ciência de um milagre?

Quando era miúda, com 6 ou 7 anos, tinha cravos nos dedos das mãos. Eram umas pequenas saliências que não doíam nem criavam incómodo de maior, mas que davam um aspeto de tronco ramificado aos meus dedos. A minha mãe ensinou-me uma lengalenga para eu rezar todas as noites. As minhas lembranças são muito vagas, mas tenho o flashback de um dia acordar e os meus dedos já não terem aspeto de troncos de árvores e de posteriormente termos oferecido uma dúzia de cravos a S. João D’Arga como agradecimento. Para além das rezas, não me lembro se usei algum produto farmacêutico ou mezinhas caseiras.

Este episódio foi a minha primeira noção de milagre.

Um milagre é um benefício físico que um determinado Deus opera. Para a religião, seja ela qual for, um milagre ocorre quando é restituída uma capacidade física considerada natural ao ser humano.

E tudo o que é natural e intrínseco ao ser humano é apelativo e alvo de estudo pela ciência.

Perceber como determinada pessoa recupera de uma situação de doença grave, ou recupera uma faculdade motora ou escapa ilesa a uma situação que expôs a sua integridade física é um enigma. Daqui nascem as buscas de respostas e explicações científicas sobre os milagres anunciados ao longo da história e do Mundo.

A História que conhecemos está cheia de milagres, em que desconhecemos os detalhes, e que a ciência tenta averiguar e adivinhar hipóteses para encontrar explicações. Chamamos milagres também às situações das quais temos desconhecimento técnico e falta de informação. Quando não sabemos explicar algo dizemos que foi um milagre, não nos demoramos com procuras, as procuras trazem perguntas e as perguntas trazem sempre o desconforto de viver com as respetivas respostas.

A palavra milagre dá esperança, e a maior parte das vezes usamo-la exageradamente.

Um milagre implica uma situação concreta e não o potencial de uma situação ocorrer. Para a maioria dos crentes, é confortável assumir que existe alguém que os protege, que os “aconselha” a virar à esquerda num cruzamento e assim não se ver envolvido num determinado desastre.

Aceitar que estamos sujeitos e vulneráveis a uma série de acontecimentos aleatórios que tanto nos beneficiam como prejudicam e que eventualmente até mesmo que exista um Deus, este terá coisas mais importantes a resolver numa Terra do que ir connosco para todo o lado é egoísta e assustador (o outro bico deste pau é que nestes pressupostos Deus também participa nas situações mais íntimas).

Viver só de nós, sem uma ajuda divina, é aterrador, precisamos de um sentido de proteção constante, somos dependemos da família, da entidade empregadora, do estado, da sociedade onde estamos inseridos e de um Deus (seja ele qual for).

Cresci como cristã praticante e tornei-me numa apática cristã. Considero-me apática, porque não participo e questiono a maior parte das coisas que envolvem a religião em que cresci. Independentemente disto, não me considero não cristã ou ateia, porque mesmo que eu não queira, o que me foi incutido durante o meu crescimento, faz toda a diferença na forma como me posiciono hoje.

Acredito em milagres científicos, em que determinadas ocorrências são “just in time”. Uma doença é detetada a tempo, um movimento é efetuado a tempo, um tratamento é efetuado a tempo, mas às vezes pondero se não seria mais feliz se deixasse tudo nas mãos de um Deus em troca de umas joelhadas ou de mais umas dúzias de cravos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: