fbpx
AmbienteMundoSociedade

O clima e a vida

As questões das alterações climatéricas são tão óbvias, que fico sempre admirada quando aparece algum cientista a refutá-las ou a defender um qualquer argumento menos razoável. São coisas que sempre aconteceram, todos sabemos, a extinção dos dinossauros é uma prova.

Apesar de sempre terem acontecido, não aconteciam com a velocidade que agora assistimos, porque o próprio tempo, agora, é mais rápido do que era há milhões de anos atrás. O homem passou a ocupar a totalidade da terra e com a multiplicação dos seres humanos a destruição tornou-se uma realidade assustadora. Não só crescemos em termos populacionais como não soubemos viver integrados com a natureza. Para nos expandirmos tivemos de destruir uma imensidão de árvores e ecossistemas.

Tivemos de adaptar o mundo à nossa medida. Para nos desenvolvermos e projetarmos todo o conhecimento que fomos conquistando alteramos a fisionomia do mundo. Obrigamos a natureza a adaptar-se a este crescimento, assumindo uma posição dominadora e dominante neste planeta que nos ofereceram.

O alarmismo a que assistimos hoje, para mim, não tem apenas a ver com a destruição do planeta ou com o plástico que inunda o mundo, tem sim a ver com os excessos. A verdadeira questão reside ai, produzimos em excesso, alimentamo-nos em excesso, temos excesso de população, sujamos em excesso, fazemos tudo em excesso muito para além das nossas reais necessidades.

Por isso, o que está em causa, não é apenas a destruição do nosso ecossistema e do mundo natural mas também a desmedida produção industrial, não apenas de uma industria em particular, mas todas! E como sabemos a indústria movimenta muito dinheiro, gera emprego, gera riqueza e muita ganância. Como ter muito ou ganhar o suficiente para ter uma empresa estável e bem posicionada no mercado não chega, é preciso produzir muito mais, para vender, fazer dinheiro e justificar estilos de vida exuberantes e outros luxos que nem sequer imaginamos.

O que está em causa é todo um estilo de vida que começou a ser impulsionado nos séculos anteriores, que tem sido alimentado e tem crescido de forma descontrolada. A necessidade de ter para ser, o consumismo trouxe-nos aqui. Vivemos com mais do que precisamos em tudo, mesmo no básico se pensarmos na alimentação. Portanto, a questão que se impõe é: Preferimos salvar o nosso planeta ou salvar a economia?

Idealmente, dirão os mais otimistas: os dois! E se não for possível? Qual escolhemos salvar? Sem o planeta não existe economia, porque não vai sobrar nada. Os senhores gananciosos que mandam nisto tudo estão-se a borrifar para isso, só veem cifrões à frente dos olhos. Quando não restar nada sob a terra para aproveitar, nem o dinheiro lhes vai valer.

Precisamos disto tudo que temos agora para viver? Julgo que não. Uma das melhores características que o ser humano tem é a capacidade de adaptação, por isso se reduzirmos todos os excessos que produzimos e consumimos talvez se consiga reverter um pouco o impacto que tem tido sobre o clima do mundo.

O mais importante para todos nós é a preservação da vida: da nossa, das árvores, dos animais de tudo. Se não cuidamos da casa que nos deram, vamos viver onde?

Photo by Mika Baumeister on Unsplash
Tags

Sofia Cortez

Sofia Cortez (1978, Lisboa) marketeer por acaso, escritora em desenvolvimento e artista por vocação. Não existe uma linha condutora para a criatividade, só a vontade de criar. Entre os seus trabalhos estão uma Exposição de Croquis de Moda realizada 97 no Espaço Ágora, curso de desenho na Sociedade de Belas Artes em Lisboa, a participação em feiras de artesanato com o projeto: Nomes em Papel para crianças, um livro editado em 2018 “Devemos voltar onde já fomos felizes”, várias participações em coletâneas de autores em poesia e conto, blogger no blog omeuserendipity.blogspot.pt, cronista, observadora, curiosa com o mundo e aprendiz de todos os temas que permitam o desenvolvimento humano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: