+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Sair da zona de conforto

Nós lutamos por contrariar as nossas tendências, reformular os nossos padrões e obrigarmo-nos a envergar por aquilo que, pelo menos à primeira vista, não é a nossa praia. E temos a ilusão de sermos felizes, pelo menos idealmente, desta forma. A grande questão é: porque é que será que temos a ideia de que aquilo que é confortável não vale a pena?

Negligenciamos aquilo que, genuinamente, nos faz felizes e, portanto, ignoramos a nossa irracionalidade. Pomos de parte a ideia de que, efectivamente, somos um ser com uma complexidade muito própria e, nesse sentido, temos de olhar para dentro de nós para sermos felizes e realizados, pessoal, profissional e humanamente, em toda a sua plenitude.

Se é verdade que se nos elevar-nos a um patamar (célebre) entre aquilo que somos e aquilo que queremos ser, a vida nos dá exactamente o que procuramos, por outro lado, ser fiel, precisamente, ao que sabemos que somos, aceitando a nossa individualidade e respeitando um amanhã sem grandes especulações, assumindo uma postura centrada na tal zona de conforto, o futuro dar-nos-á exactamente aquilo que não sabíamos que precisávamos para nós e, dessa forma, de bom agrado, agarramos o que o universo nos deu, confiando no destino que se nos foi traçado.

Contudo… talvez a verdadeira sabedoria esteja num meio termo: um equilíbrio entre uma aceitação (inteligente) do eu para si e uma ambição desmedida de proporcionar ao sujeito a oportunidade de se subjugar à eternidade de si, ao infinito da sua alma, enquanto ser que se esmera para se auto-realizar.

Portanto, para se ser plenamente feliz, não basta sair da tal zona de conforto como todos dizem: tem que se saber o que queremos para nós, chegarmo-nos à frente e conduzirmo-nos rumo ao infinito de nós mesmos, mas cientes daquilo que valemos e que queremos para nós, no nosso conforto, bem-estar e caixinha de autenticidade.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Provocações na Silly Season

Next Post

Números e mais números

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

A vaidade e a vaidade

A vaidade sem substância é talvez, um pecado maior que a vaidade em si mesma. Da mesma forma que, o elogio ou o…

Crash Landing on You

Hoje trago-vos uma série e este artigo pode conter vestígios de spoilers. É algo diferente, pois é sul-coreana.…