+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Liberté Egalité Fraternité

Fez dia 14 de Julho de 2023 duzentos e trinta e quatro anos que um grupo de populares revoltados com as políticas económicas e repressivas da sua obsoleta monarquia, tomaram a Bastilha, uma antiga praça-forte nas imediações da Île de la Cité, em Paris, que servia de prisão para as vozes politicamente dissidentes e os presos políticos.

Este momento, pouco marcante estratégica ou politicamente no âmbito da confusão social que agitava a França dos finais do século XVIII, até porque a Bastilha só já albergava meia dúzia de presos, foi fundamental na mobilização psicológica do terceiro poder do Estado francês, cansado da fome, da guerra, da opressão dos primeiro e segundo poderes (a Nobreza e o Clero), que do topo dos seus palácios, igrejas, envoltos em riquezas, enfastiados com a abundância, detinham o poder efectivo de vida ou morte dos outros.

Estupefactos e galvanizados pelo seu feito, a população tumultuou-se e entrou numa espiral de violência contra os seus opressores que se viu difícil de conter. Nos dias, semanas, meses e anos seguintes, a sociedade francesa viu-se em permanente alteração, altercação entre poderes e violência desmedida, literalmente sacrificando cabeças de vítimas numa tentativa de apaziguar as massas revoltosas.

A Revolução Francesa, em 1789 é, de certa forma, o culminar do Iluminismo, encerrando o denominado século das luzes com uma espiral de violência que antagonicamente inaugurou um processo de democratização dos constituintes das sociedades. Importa salientar que esta noção não é transversal a todos os historiadores e estudiosos do tema, dado que a Independência e a Constituição dos Estados Unidos da América precede esta data (1777) em onze anos, já consagrando noções como cidadão, indivíduo com direitos e deveres; Separação de Poderes legislativos, executivos e judiciais; a noção de Estado; e a realização de eleições enquanto forma dos cidadãos participarem de forma representativa na organização do Estado.

Por trás da Revolução, o conceito filosófico do ser humano enquanto ser pensante, único e integral, maturado do Homem Renascentista aboliu conclusivamente o conceito de deus enquanto centro do universo. E pela primeira vez o Homem Vitruviano adquiriu identidade própria, não apenas enquanto “ente artístico”, mas enquanto ente completo.

E a Revolução, não obstante banhada em sangue de heróis e vilões, trouxe o destino do Homem para a linha da frente da batalha através da criação e instituição da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, a fundação para a actual Declaração Universal dos Direitos do Homem.

Contudo, a divisa da Revolução marca distintamente este período, pretendendo instituir o ser humano enquanto ser livre, igual e social, pleno de direitos e deveres, estes em igual peso e medida, sobrevivendo-lhe para representar os mais altos valores humanos transversalmente ao longo dos tempos até aos dias de hoje.

Pós-Revolução

Não obstante as transformações das sociedades nos 234 anos que nos separam da Revolução Francesa terem vindo ilustrar e personificar esta necessidade e conceito filosófico nos seus fundamentos, a capacidade intrínseca do ser humano de os representar tem vindo a decrescer, a perder o seu ímpeto, muito devido às conquistas sociais já concretizadas na maioria das sociedades ocidentais, bem como à aparente massificação do conhecimento, e ao fenómeno global que dilui os processos educacionais e de crescimento individual numa amálgama disforme e desprovida de fundamento.

Torna-se assim cada vez mais necessário o retorno aos valores humanos mais altos, personificarmos a divisa “Liberté, Egalité, Fraternité”, darmos passos atrás para que possamos avançar em direcção a um futuro que nos identifique com os objectivos primários da Revolução Francesa – a exaltação do espírito humano, a sua capacidade de criar e de se maravilhar com a sua própria magnificência.

Nota: este artigo foi escrito seguindo as regras do Antigo Acordo Ortográfico
Share this article
Shareable URL
Prev Post

A vida, se fosse fácil, não tinha piada nenhuma!

Next Post

Adereços de Férias

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

A Arte da Guerrilha

Hoje em dia fala-se muito sobre guerrilha e sobre os guerrilheiros. Os melhores exemplos são os guerrilheiros do…

O 25 de Abril de 2019

– Que trazes tu aí contigo, Lídio? – Um cravo. – Por conta das comemorações do 25 de Abril, não é? – É. Carmo, é…