fbpx
LifestyleTelevisão

“Black Mirror”: o futuro aqui ao lado

Há uns tempos, dois amigos estavam a passear no centro de Braga. Um virou-se para o outro e disse:

– Olha, descobri uma série, vi um episódio e não sei se adoro ou se não vou ver mais.

O outro respondeu:

– Se tu sentes os dois extremos ao mesmo tempo, é porque é uma coisa bestial. Como é que se chama?

– “Black Mirror”.

Duas semanas depois, Sérgio Godinho, estudante de Psicologia, já tinha visto os episódios todos da série recomendada pelo amigo.

Um pouco mais a norte, em Ponte de Lima, Marta Alves deparou com um GIF no Facebook. Era uma alusão a um episódio de “Black Mirror” e a estudante de Ciências da Comunicação decidiu dar uma oportunidade à série. No final do primeiro episódio, a avaliação estava feita: “É perturbador. Mas gosto, por mostrar uma realidade paralela, mas tão perpendicular às nossas vidas.”

Black Mirror” é isto: uma estranheza absurda que capta a audiência pela plausibilidade dos factos narrados.

Na série antológica criada por Charlie Brooker, há espaço para uma vida que é um reality-show, para um chip que grava todas as nossas memórias, para o regresso de um morto, para soldados programados para o ataque, para viagens no tempo… Enfim, para uma panóplia de fantasia, suspense, terror e ficção científica, que muitos críticos dizem tratar-se de um regresso ao sucesso “The Twilight Zone”.

Nos treze episódios lançados até agora, somos confrontados com uma crítica mordaz à sociedade digital. E como? Simplesmente mostrando realidades alternativas, através de problemas atuais.

Um exemplo: sabemos que as abelhas estão em perigo de extinção. Ora, usa-se esse facto para criar um futuro em que a tecnologia é capaz de criar abelhas, acabando com o problema da extinção. Estaria tudo bem até aqui, não fosse o facto de o governo se ter lembrado de começar a utilizar essas abelhas como câmaras de vigilância. Contudo, o episódio não é só isto… Aliás, praticamente não é isto. Então, “Black Mirror” é capaz de aliar sustentabilidade, segurança nacional, proteção de dados e crime em noventa minutos. Os cenários aparentam ser tão reais, que nos parece que estamos a caminhar para esse mundo ficcionado.

Para Marta, “pensar que isso pode acontecer na realidade é simultaneamente fascinante, simultaneamente aterrador”. Já Sérgio encara as histórias de “Black Mirror” como “um aviso perfeito”, que nos leva a refletir. E, com ele, a série foi mais longe: depois de ter assistido ao episódio “Shut Up and Dance”, sobre hackers, Sérgio decidiu tapar, com um adesivo, a webcam do portátil.

Portanto, uma série que nos entretém, que nos põe a pensar, que nos torna mais céticos, que nos pergunta onde estamos e que nos mostra para onde podemos ir é uma boa série. É arte daquela que nos enche de histórias para contar e que desperta debates. E “Black Mirror” é tudo isto.

Em 2017, a série vai regressar, com seis novos episódios. E a Marta e o Sérgio cá estarão para assistir, nos seus ecrãs pretos.

Florbela Caetano

Ligar o rádio é a primeira coisa que faço ao acordar. E isso já diz muito sobre uma jovem adulta, no século XXI. Como se este desajustamento não bastasse, gosto dos mundos que se dizem contraditórios: a publicidade e o jornalismo. Trabalho no primeiro. Procuro formas de me manter ligada ao segundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
%d bloggers like this: