Entrevistas

Sérgio Godinho: «Para que este fevereiro dure para sempre, basta que os leitores não o esqueçam»

Sérgio Godinho é um apaixonado pela literatura. Nascido em Figueiró dos Vinhos, foi esta a localidade que despertou o seu interesse pelas palavras e que, em 2010, lhe deu o primeiro lugar no concurso de escrita “A minha melhor história em inglês”.

Aos 19 anos, iniciou o curso de psicologia, na Universidade do Minho (UM), em Braga. Curso que serviu de inspiração à criação do novo livro Vita Apparatus –um romance sobre a luta da mente humana, que conta a história de um personagem que decide ativar um clone seu, anteriormente adormecido na máquina da vida.

“O romance sobre fevereiro que durará para sempre” é da autoria de Sérgio Godinho que, gentilmente, contou tudo ao Repórter Sombra sobre o nascimento deste livro.

Sérgio, o que pode fazer este fevereiro durar para sempre?

Uma estória passa a pertencer ao público assim que é editada. Por isso, para que este fevereiro dure para sempre, basta que os leitores não o esqueçam. Que espalhem a palavra.

Em que é que se baseia esta máquina da vida de que fala no seu livro?

Se o que estás a escrever não tem a mínima hipótese de se tornar o melhor que já escreveste, recomeça. Creio que é esse o meu lema. Quando comecei Vita Apparatus queria criar a melhor obra que já tinha escrito até então. Não sei se o atingi. Eu penso que sim, caso contrário nunca o teria editado. A Máquina da Vida foi o ponto de partida. A vida a nascer por vontade do Homem. De súbito, uma figura divina entre mortais. Pareceu-me um bom ponto de partida.

O Sérgio tem 26 anos. Se pensamos que ainda é jovem, ficamos ainda mais surpresos quando percebemos que, aos 17 anos, venceu um concurso de escrita. Quando e como surgiu este gosto por transpor histórias para o papel?

A arte não deve ser uma competição. Livros não devem ser escritos para ganhar prémios. Estórias que nascem para satisfazer júris não têm outro propósito.

Comecei a escrever estórias quando tinha 15 anos. Fi-lo de uma forma descomprometida. Era apenas um jovem a fazer algo que gostava. Nunca pensei em editar. Alguns jovens formam bandas. Outros gostam de experiências científicas. Eu gostava de escrever estórias.

Há muitos escritores que dizem que escrevem mais por necessidade do que por vontade. É o seu caso?

A minha vida é simples: se não estou a escrever, estou a pensar em escrever.

Penso que um escritor deve ser como um maestro. Tudo o que é escrito deve estar preparado para causar uma reação no público. Fazer parte de um todo. É isso que me fascina na escrita: o poder das letras. Se consigo imaginar uma vida sem escrita? Consigo. Também consigo imaginar um mar sem qualquer peixe. Ambos os cenários são igualmente terríveis.

E prefere escrever mais sobre si ou sobre aquilo que o rodeia?

Gosto de escrever sobre o que ainda ninguém viu. “Ficção especulativa” é como Margaret Atwood lhe chama. Creio não existir nome melhor. Sou um eterno fascinado pelo “e se…”.

Apesar deste gosto pela escrita, estudou psicologia, o que é curioso tendo em conta que este seu livro explora a mente humana. A psicologia foi uma ajuda para o escrever?

A psicologia foi a origem. Sem a minha formação académica, este livro nunca existiria. Conhecer um pouco melhor os caminhos da mente humana é uma ajuda para a escrita. Sempre que falo da minha formação académica com amigos, faço questão de referir que psicologia é o curso perfeito para quem quer escrever. Todas as estórias têm algo vital em comum: pessoas.

Acredita que o sítio onde crescemos influencia o nosso modo de ver a vida?

O local onde crescemos e as experiências que vivemos moldam a nossa forma de ver o mundo. Não é uma opinião. É um facto. Tento ter isso em conta quando construo personagens. Se uma personagem tem alguma opinião forte sobre algo, essa conceção deverá ter raízes fortes. Ou seja, para construir personagens multidimensionais, temos que construir um passado forte. Sem isso, não há presente que lhe valha.

É difícil ser-se um autor independente em Portugal? Porquê?

Ser um autor independente em Portugal é uma loucura. Não tem outro nome. Não dá dinheiro. Não dá reconhecimento. Poucas pessoas compram livros. Menos ainda são os que os lêem. Alguns dizem que leram, mas não o fizeram. Grande parte dos leitores critica o nome do personagem, a casa onde vivem e até as flores que metemos no quintal. E, enquanto isso acontece, os escritores independentes preferem acotovelar-se uns aos outros, na tentativa de chegar a um cume literário imaginário, ignorando que somos a salvação uns dos outros. Em Portugal, pelo menos, somos todos loucos. Queremos viver das letras num país que não gosta do seu sabor.

O que o levou a optar por esse caminho?

A receita para criar um escritor independente em Portugal é fácil de decorar. Basta pegar num sonhador, tirar-lhe o bom senso e colocar-lhe um computador à frente.

Se pudesse ativar um clone seu para lidar com uma parte da sua vida, para onde o encaminharia?

Eu nunca o ativaria.

Tags

Cátia Barbosa

Dizem que sou sonhadora. Gosto de sonhar acordada mais do que quando estou a dormir. Prefiro o som às imagens e a natureza aos ecrãs. Acredito em magia, em sonhos que se realizam e em tudo aquilo que não se vê com os olhos. O amor move-me e foi ele que me levou às palavras. A licenciatura em Jornalismo e Comunicação tirou-me qualquer dúvida sobre aquilo que quero fazer na vida. E o amor pela rádio só veio aumentar essa certeza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: