LifestyleViagens

Visita Guiada

Hoje vou guiar-vos numa breve visita por uma das minhas cidades favoritas.

O ponto de encontro é Szent István tér 1 junto da Basílica de Santo Estevão no centro de Budapeste. A imponente basílica fica no centro da tér (praça em Húngaro) por isso não terás dificuldade em encontra-la. O desafio na cidade de Budapeste é conseguir pronunciar os nomes das ruas e conseguir lidar com antipatia natural dos Húngaros, nada que abale a empatia e a sintonia que tive com esta cidade desde o momento que desci do avião.

Dai seguimos na direção do Rio Danúbio para atravessar a ponte Széchenyi Lánchíd também conhecida por: ponte das concorrentes para o outro lado de Buda, onde iremos visitar o Castelo de Buda que em tempos idos foi Palácio Real e agora alberga a Biblioteca Széchenyi, a Galeria Nacional Húngara e o Museu de História de Budapeste. Para isso apanhamos o elétrico Budavári Sikló para chegar ao topo e visitar tudo.

No seguimento, avançamos para o Bastião dos Pescadores que oferece uma das melhores vistas do Parlamento de Budapeste situado na outra margem do rio e de toda a cidade. O Bastião dos Pescadores é um miradouro em estilo neogótico situado na colina de Buda, na margem oeste do Danúbio de cima pode-se contemplar Peste em todo o seu esplendor e a vista é absolutamente de tirar a respiração.

É visita obrigatória a ida ao Parlamento Húngaro que é um dos edifícios legislativos mais antigos da Europa, dos mais imponentes e também dos mais bonitos. A cidade de Budapeste é também conhecida pelas suas termas que funcionam durante todo o ano, no inverno aquecidas e no verão convidativas para banhos refrescantes. Existem muitas coisas para se visitar em Budapeste onde o moderno se mistura com o antigo, é uma cidade com uma energia contagiante.

A não perder é sem dúvida a Sinagoga de Budapeste que é a maior da Europa e a segunda maior do mundo. Um edifício grande e com muita personalidade, num estilo mourisco embora também combine toques bizantinos, românticos e góticos. O interior é grandioso e cheio de luz, no exterior da sinagoga encontramos o cemitério judeu e a Árvore da Vida, uma escultura similar a um salgueiro chorão no qual cada folha tem escrito o nome de um judeu assassinado durante o Holocausto, esta escultura foi construída em 1991.

Num dia, não se consegue ver tudo o que Budapeste tem para oferecer. É uma cidade que precisa no mínimo de 3 dias inteiros para se conseguir ter uma percepção da vida, da energia e da história da cidade. Uma cidade fustigada pela Segunda Guerra Mundial e que que conseguiu reerguer-se como uma fénix. Sem dúvida uma das minhas cidades de eleição na Europa.

Photo by Dan Novac on Unsplash
Tags

Sofia Cortez

Sofia Cortez (1978, Lisboa) marketeer por acaso, escritora em desenvolvimento e artista por vocação. Não existe uma linha condutora para a criatividade, só a vontade de criar. Entre os seus trabalhos estão uma Exposição de Croquis de Moda realizada 97 no Espaço Ágora, curso de desenho na Sociedade de Belas Artes em Lisboa, a participação em feiras de artesanato com o projeto: Nomes em Papel para crianças, um livro editado em 2018 “Devemos voltar onde já fomos felizes”, várias participações em coletâneas de autores em poesia e conto, blogger no blog omeuserendipity.blogspot.pt, cronista, observadora, curiosa com o mundo e aprendiz de todos os temas que permitam o desenvolvimento humano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close
Back to top button
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: