+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

“Amour” ou como conservar uma vida

Nasceu em Maio de 2012 e era Primavera. Provavelmente, houve asas a bater perante o carinho deste coração cheio. Amour, de Michael Haneke, conta-nos a história de um amor que se descobre de novo, numa terceira idade que é quarta, ou quinta. É uma dimensão que embala o amor de uma vida inteira, numa tela cheia, durante 127 minutos. Foi Palma de Ouro em Cannes, Melhor Realização, Melhor Actriz e Melhor Actor nos Prémios do Cinema Europeu e Melhor Filme Estrangeiro nos Globos de Ouro. Fora das competições oficiais, é provável que se encontre no pódio de muitos espectadores e são muitas as razões para isso.

No acidente vascular cerebral que paralisa Anne, Georges encontra carinho e amor para lhe dar. Dentro dessa dimensão de dor, a partilha de emoções é forte e agarra o espectador durante o filme, pela forma simples e intensa da exteriorização dos afectos. Os planos são demorados na vida de cada personagem e exploram minuciosamente o seu perfil. Há cenas com mais de vinte segundos que incorporam sensações e convidam o espectador a partilhar cada segundo dessa vida. Próximo da história, mergulha-se na narrativa da mesma forma como se vive o sofrimento de Anne e a disputa de Georges.

A princípio, o medo que consome Anne resulta numa espécie de luta, minimizando os danos daquilo que lhe aconteceu. À medida que o tempo passa, há um peso que ela carrega e não consegue suportar mais. Para lá dos pormenores dos risos que partilham e das histórias que Georges lhe conta pela primeira vez, a cadência dos momentos sóbrios diminui. Entre as visitas da filha, as discussões com a enfermeira e a preocupação dos vizinhos, viaja-se ao passado nas fotografias antigas dos álbuns de família. Ao mesmo tempo, é fácil reunirmos várias questões sobre a impossibilidade de realizar certos movimentos, quando a consciência ainda existe. É nessa embriaguez de ideias que Anne se envolve, num paralelo entre o som forte do piano, que a prende e lhe transmite nostalgia, e a liberdade da pomba, que entra duas vezes na sua casa, no centro de Paris.

Entre o desejo de desaparecer, Anne consome-se pela sua condição. É neste impacto de dor que a delicadeza da eutanásia se propõe, como forma de terminus ao sofrimento. Porém, se é Georges que a empurra para o lado positivo da vida, também é ele que acaba por aceitar a ideia de a conduzir ao estado final e a conserva, numa espécie de metáfora que é feita na cena inicial e se prolonga, até ser totalmente interpretada. O quarto selado representa essa ideia de memória e a casa onde viviam torna-se vazia, interrompida pelos corredores organizados e a luz do sol, que entra e percorre todos os espaços. Entre o óleo que desenha as paisagens idílicas dos quadros, nos últimos minutos do filme, e o aprisionamento da pomba, Amour está carregado de pormenores sobre os corações cheios e os anos infinitos da estima. O amor é definido, aprisionado e libertado, para se prestar numa das mais bonitas e simples homenagens dos últimos tempos.

[slavia_review]

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Os pais e a sexualidade dos filhos

Next Post

Conspiração

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

O sol e ela

Encontrou-a. Encontrou-a hoje como a encontra todos os dias, mesmo naqueles em que ela não aparece. Nos dias de…

“O Caibalion”

O que é habitual, quando se lê um livro que se gosta é recomendá-lo, passar a mensagem, passa-lo a outro leitor…

Ao Cair do Pano

Há dias em que não vem ninguém. Se chove, se é dia de semana, se é meio do mês, não vem ninguém. No quarto…