+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Workaholic vs. Worklover

Uma pessoa passa, em média, 33 a 42 anos da sua vida a trabalhar. A variação está relacionada com o país e com o género. Em Portugal, passamos cerca de 38 anos.

Apesar da pandemia ter causado a morte de uma quantidade significativa de portugueses, a maior parte idosos, a esperança média de vida em Portugal aumentou, estando situada em 81,06 anos.
Ou seja, passamos cerca de metade da nossa vida a trabalhar.

Isto levanta uma questão, ou várias:

Quando é que começámos a ser definidos pelo nosso trabalho e não pela forma como vivemos?

Será que conseguimos desligar do nosso trabalho ou estamos sempre com essa segunda pele vestida?

O termo workaholic vem do inglês e significa alguém que não se consegue desligar do trabalho e mais ainda, é viciado. Como se de uma droga ou de álcool se tratasse. É viciado no trabalho, mas nem sempre gosta do que faz.

Onde fica a vida pessoal? A família? Os amigos? Os passatempos?

As empresas são, muitas vezes, motivadoras de empregados competitivos e, também, de indivíduos que querem provar alguma coisa a alguém ou a si mesmos. Assim, alguns acabam por ficar viciados no trabalho para atingirem os seus objetivos.

Um dos maiores receios de um workaholic é o medo de fracassar, isso faz com que ele persista em dar o seu melhor e para isso é necessário tempo – um dos bens mais preciosos e que, infelizmente, não estica.

O que fica para trás?

Vemos, cada vez mais, casamentos e maternidades tardias. Outros, abdicam de constituir uma família, em prol de uma carreira bem-sucedida, que raramente deixa tempo para o que quer que seja. O convívio limita-se apenas aos colegas de trabalho. Os animais de estimação são agora os “novos filhos”.

Há um número crescente de pessoas que vivem sozinhas; que continuam em casa dos pais na idade adulta; que não têm um companheiro; que não têm tempo para amar. Apenas têm tempo para trabalhar, comer e dormir (mal e pouco, muitas vezes).

Porquê? Para quê? Somos seres humanos ou máquinas de trabalho?

A Bíblia, no livro de Eclesiastes 2:24, diz: «Não há nada melhor para o homem do que comer, beber e desfrutar do seu trabalho árduo…»

O próprio Criador fala em labuta cansativa – a maioria, na altura, trabalhava e vivia da terra – mas também fala de comer, beber e desfrutar do resultado desse empenho.

Quem não se lembra dos livros, do Robin Sharma, O monge que vendeu o seu Ferrari ou O Santo, o Surfista e a Executiva? Li ambos e gostei. Fala de homens que deixaram os seus empregos absorventes e passaram a descobrir o objetivo da vida, a busca do Eu e do verdadeiro propósito para cá andar.

Portanto, para mim, parece-me lógico que o trabalho é bastante importante, mas não devia ser o único foco da nossa vida. Devemos trabalhar para viver e não viver para trabalhar. Claro está que deverá ser uma atividade de que gostamos.

Ser um worklover é ser alguém que ama o seu trabalho, mas não o vê como um vício. Para mim, é impensável trabalhar em algo de que não gosto, onde não me identifico. Causa-me alergia, urticária mental e, depois, física. Por isso, já mudei de emprego algumas vezes. Mesmo assim, é importante estabelecer fronteiras para que não nos engula.

Veja-se o caso da escrita. A qualquer hora surge uma ideia. Quando as palavras começam a bater à porta, é difícil não as deixar sair. No entanto, não deixo de arranjar tempo para os filhos, para passear, para namorar, para ler, para dançar, para ver o mar, para estar com amigos ou familiares. Nem sempre é fácil ter esse equilíbrio e colocação de prioridades, mas andamos cá para nos irmos aperfeiçoando e o lema «aprender até morrer» aplica-se também a este caso. Vamos aprendendo a deixar de lado o que nos faz perder tempo que pode ser útil para coisas mais importantes.

Em jeito de reflexão deixo o exemplo, que toda a gente conhece, do frasco e das pedras. Temos de colocar primeiro as maiores e só depois as pequenas, a areia e a ainda se encaixa o tempo para uma água ou um café. Se pusermos primeiro as pedrinhas, o que é maior ou mais importante, depois, já não cabe.

Obrigada pelo pedacinho do vosso tempo.

Nota: este artigo foi escrito seguindo as regras do Novo Acordo Ortográfico
Share this article
Shareable URL
Prev Post

Não sei a morada do amanhã

Next Post

DUFFY – Mercy

Comments 1
  1. Um tema importante que deveria fazer muitos reflectir, já percorri várias empresas e várias áreas, neste momento faço o que gosto e onde gosto. Trabalho para ter alguma qualidade de vida, não vivo para o trabalho. Parabéns pelo excelente trabalho.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

O Tédio

Deparei-me, por acaso, com um estudo já antigo, publicado pela revista Science em 2014, que falava de uma…
Criança aborrecida

A História do Futuro

Esta semana tem sido marcada por alguns temas que podemos chamar de quentes, com algumas decisões e orientações,…

A falta de ideias

Sempre ouvi os “mais velhos” dizerem, com alguma sabedoria, que a Internet tem trazido muitas coisas más, coisas…