fbpx
CulturaMúsica

‘Vulnicura’: uma abordagem

Com nove álbuns de estúdio, entre outras produções musicais e prémios à mistura, Björk lançou ‘Vulnicura’, em Janeiro deste ano, após a colocação das músicas deste álbum na Internet, de forma ilegal. Legalmente colocadas no dia a seguir, as vendas lideraram tabelas em 36 países. Conhecida pelo seu traço experimental na música, a arte desta artista será exposta aqui, em jeito de análise.

Primeiramente olhar para a combinação de sons. Há quem fale rock, jazz, blues, ópera, canto lírico, ao falar de Björk. Neste álbum em concreto, creio tratar-se mais de ópera com canto lírico e downtempo (algo parecido com Moby). Estes estilos conferem a este conjunto de músicas uma sonoridade calma, mas, ao mesmo tempo, perturbadora dos sentidos, na medida em que parece entranhar-se nos ouvintes.

De seguida, perceber a expressão humana que daí provém. Numa abordagem íntima, ‘History of Touches’, por exemplo, mostra a densidade interior desenvolvida numa intimidade expressa de forma profunda e meticulante. ‘Family’ aborda os sentimentos envoltos nos valores de uma família de um pai, de uma mãe e uma criança. Em ‘Atom Dance’, propõe-se uma dança (dos átomos) que permita combater os momentos de solidão. Na verdade, trata-se de uma auto-exploração, mas, simultaneamente, de uma chamada de atenção aos dias que correm, de fazer acordar o mundo e denotar na sua “complexidade”, para usar o termo do tema ‘Lionsong’.

Por fim, verificar a potencialização de imagens que consegue criar. Conjugando a sonoridade com a expressão que incute, as músicas bjorkianas permitem a criação de representações pictóricas consistentes, incitando a uma reflexão mais aprofundada sobre nós mesmo. Retomando a faixa ‘Family’, exemplificando, consegue ser gerada uma ideia de uma família; no caso da ‘History of Touches’, consegue ser gerada uma ideia mais abstracta da intimidade. Deve ainda ser apontado que, essencialmente, graças à morosidade rítmica, este fenómeno é possível.

Retomando a ideia anterior, aborde-se a demora no avanço do ritmo de cada música. Em geral, as faixas musicais deste álbum revelam-se algo longas e exaustivamente examinada, o que, em última análise, pode constituir um obstáculo a uma audição. Num outro ângulo de análise, a meu ver, contribui, em certa medida, para uma perda de harmonia e de musicalidade, pelo que acaba por se estabelecer um cenário musical disperso, onde as ideias, por sua vez, se perdem.

Para finalizar, será este álbum uma forma de mostrar uma inquietação interior? A verdade é que vários críticos afirmam esta produção musical como a mais pessoal de Björk. Talvez seja, talvez não. Provavelmente, só a cantora o poderá dizer.

Pedro Ribeiro

Vimaranense, 24 anos e recetivo a desafios, ocupo a maior parte do meu tempo em torno das áreas dos Média e da Comunicação. Sou estudante de doutoramento em Ciências da Comunicação e procuro oferecer a minha perspetiva da forma mais íntegra possível. Numa sociedade de pouco sentido crítico e muito moralismo, procuro trazer debate com conhecimento, procurando perceber e aprender mais. Não fosse isso um motor para a vida, o conhecimento. Já escreve Nietzsche, na sua obra 'Assim Falava Zaratustra': 'O Homem só existe para ser superado.'

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
%d bloggers like this:

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.