+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Uma viagem pelo mundo de Scott Matthew

Será melancolia a melhor palavra para definir a musicalidade de Scott Matthew? Bem, ele admite algumas passagens melancólicas, mas não considera a sua música triste. No lado de cá, os fãs, vêem-no como um artista em volto de mistério, capaz de recriar temas como “Love will tear us apart”. Uma voz dificilmente confundível. Ora frágil, ora forte. Ao vivo tem a capacidade de tocar o público de uma forma singular. Não é fácil explicar por palavras a arte deste australiano, que escolheu Nova Iorque para viver, mas que diz estar na Europa o melhor público. Se ainda não o conheces, não percas mais tempo. Fica sabendo que em Portugal não é um completo desconhecido.

Scott há muito que anda pelo mundo da música. O seu currículo é invejável, especialmente, pela diversidade de projectos. Primeiro foi a colaboração com o compositor japonês Yoko Kanno com os temas “Trip City”, “Be Human” e “Cowboy Bebop: Knockin’ On Heaven’s Door”, em 2002. Quatro anos depois com o americano John Cameron Mitchell para o filme “Shortbus”, ao todo seis temas. Até que chegou 2008, outro ano agitado. Cria “Elva Snow Band Project” juntamente com Spencer Cobrin (ex-membro de Morrisey), grava “Silent Nights”, um tema que dificilmente deixa alguém indiferente e como ainda não bastasse lança o seu primeiro álbum de originais – “Scott Matthew”. O segundo sai do forno apenas um ano depois: “Theres is na Ocean that Divides”. Os seus seguidores são surpreendidos com o tema “Dog”, um dueto surpreendente com Holly Mirand. Chega 2011 com surpresas para os portugueses (já lá vamos). Mas não só. Compõe “Beautiful” para o grupo alemão Rosenstolz e grava o terceiro álbum de originais “Gallantry’s Favorite Son”. O cinema rende-se em definitivo ao seu talento com temas seus a comporem inúmeros filmes. Eis 2013, o ano do lançamento de um CD de covers Unlearned”. Entre outros, os fãs são surpreendidos com a reinvenção do clássico de Joy Division: “Love will tear us apart”. Por fim, em 2014 compõe “Ruined Heart” para o filme com o mesmo nome e agora, em 2015, lança o 5º álbum de originais “This Here Defeat”. Uma colectânea de dez músicas profundas e emocionais, que vieram complementar uma carreira repleta de aplausos.

Em Portugal, o embaixador de Scott é o compositor Rodrigo Leão. Rendido à sua voz, propõe um trabalho conjunto em 2011, para o álbum “A Montanha Mágica”. O resultado é “Terrible Dawn”, que de “terrible” não tem nada. Uma música que nos força a uma estranha paz interior. O resultado deliciosamente sonoro justifica no ano seguinte (2012) mais uma música. “Imcomplete” é o seu nome. Tema inédito do álbum “Songs”. No videoclipe, uma mulher-corvo dança, enquanto Rodrigo Leão, ao piano, se deixa embalar pela energia de Scott. O som do instrumento, os passos de dança femininos e o olhar profundo do cantor tornam a atmosfera misteriosa e cativante ao mesmo tempo. Uma verdadeira obra de arte.

O que tem Scott Matthew de peculiar? Tudo e talvez nada. A sua música é simples e pura, como todas deveriam de ser. É essência. E talvez, por isso, se diferencia dos demais. As suas obras são melodias para os ouvidos, fazendo-nos viajar para um mundo que não parece ser desta dimensão. Aconselho-te a percorreres o mundo de Scott. No fim, não serás o mesmo e ainda bem. É essa a função da arte – despertar sentimentos. Scott sabe-o fazer como ninguém.

https://youtu.be/i0d4jveNkrg

Share this article
Shareable URL
Prev Post

A Pulsação que faz Mourah vibrar

Next Post

Provar, mexer e reservar.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

A Casa da Menina

Quando era pequena, adorava passar pela casa da Menina, de mão dada com a minha avó, e vê-la a fumar à porta.…

Para lá do entendimento

Apreciar arte é sempre um tema subjetivo. Aquilo que para mim é maravilhoso ou absolutamente sublime nem sempre…

Jurassic World

Em 1993, Steven Spielberg realizou um dos filmes mais icónicos da cultura pop, Jurassic Park, era a mistura…

Enquanto dançava

Os olhos fecharam-se lentos, embalados pelo corpo e pelo fumo. Os pés mexiam-se num chão diferente, almofadado,…