+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

James Bond

The ultimate James Bond

Neste dia, no qual se comemoram 53 anos desde a primeira exibição de Dr. No (em Londres, uma vez que em Portugal o filme só chegou no ano seguinte) e numa temporada festiva da história da 7ª Arte, seria imprescindível atirar sobre o agente secreto mais conhecido, aquele que todos antevêem a sua entrada em cena, com a mítica e hiperbólica quote: “My name is Bond…James Bond.”

Em primeiro lugar, o primeiro filme de uma larga série é um veloz thriller realizado em pleno período de Guerra Fria (1947-1991). Para mais, é excepcionalmente fatigante definir qual dos seus é o melhor – mesmo que uns superiores a outros, falamos de uma escolha demasiado pessoal para entrar em conflito. Neste – e em quase todos os outros exemplos –, James Bond surge como um benfeitor que salvará o mundo da sua destruição, pela organização, que neste ano empresta o nome ao novo projeto – SPECTRE. A mesma é dirigida por um arrogante vilão, o Dr. No, indivíduo maneta sem escrúpulos e protótipo de todos os malvados da série, que muito dificilmente se singularizam.

Sean Connery

De facto, com o ator principal nascia um novo mito na história do cinema. Por detrás dele, uma outra linha de atores poderia ter emprestado o seu corpo, rosto e voz, uma vez que todos serviram de base para a criação da personagem de Ian Fleming. Os mesmos demonstravam a envolvente influência do star-system hollywoodiano, sobre outras linhas criativas. No meio dominado por Cary Grant, David Niven, Rex Harrison e até mesmo Roger Moore (que conseguiria o desempenho anos mais tarde), surgia um ator em início de carreira, cujo salário era considerado de baixo custo. O escolhido serviria de instrumento para os ideais, que os produtores Albert Broccoli e Harry Saltzman desesperavam em reproduzir no grande ecrã. No primeiro filme, a agora vedeta e Sir é fotografado em plano médio na mesa de jogos, seu nome Connery, Sean Connery.

Dr. No

Apesar da metamorfose que a personagem sofre, com a escolha diversa de atores, uma das suas marcas persiste. O reflexo metrossexual, desde a paixão por carros desportivos, a escolha de bons vinhos, ou vaidade nas suas roupas e acessórios (os relógios, são bem exemplo disso) expande-se a todas as adaptações. Até mesmo nas profundezas do ‘eu’ e sobre o complexo de Édipo – nomeadamente em Skyfall (2012) -, Bond sempre causa boa impressão, com o fato e a gravata. É a preocupação que começa a ser vulgar nos dias correntes, com a imagem e o impacto que tem, neste caso em específico, no sexo oposto.

As tão renovadas bond-girls só têm um propósito, mas não deixa de ser interessante ver Ursula Andress como a menina, cuja inocência contradiz o charme de Bond. Neste filme, o seu desempenho como Honey, o mesmo ao qual se prestou homenagem em Die Another Day (2002), em versão Halle Berry, é seguramente uma das mais conhecidas entradas femininas no cinema. Ao emergir do mar, em jeito divinal, com o seu biquini branco, desperta o olhar maroto e queixo caído de James Bond, visando ser a tão desejosa fuga ao mundo violento do espião.

Para os fãs da série é fundamental a presença de personagens secundárias, que elucidam ainda mais o seu caráter. Desde M (interpretado por Bernard Lee até ao ano da sua morte, em 1981) a Miss Moneypenny (a menina com quem Bond prefere apenas namoriscar) ou Q (que o ajuda na escolha dos seus gadgets), esbarramos com um dos mais perfeitos objetos fílmicos (do cinema comercial), vital para estudiosos.

Em Dr. No, predomina a bem sucedida realização de Terence Young, outrora argumentista viciado na escrita de Fleming. Embora o seu estilo fosse considerado inadequado para as aventuras vindouras, é nele que reside uma maior aproximação da personagem ao mundo real. Em todo o caso, Bond é protótipo de todos os filmes de espionagem, agora sob inúmeras paródias.
Embora o primor dos genéricos seja central em toda a saga, com nomes de Matt Monro, Shirley Bassey, Tom Jones, ou Nancy Sinatra a emprestar as suas vozes nos filmes de Connery, o primeiro e principal tema de Bond é algo simplório, porém, valida a qualidade artística não só do elenco, mas de toda a equipa técnica. Muito do seu crédito vai para Maurice Binder, responsável pela criação da sequência que começa com três pontos brancos. O designer foi responsável por outros 13 filmes de Bond, até à sua substituição por Daniel Kleinman em Golden Eye (1995).

James Bond
Atores que interpretam Bond

A dificuldade em encontrar um substituto para a performance de Connery foi tarefa árdua e a mesma situação parece estar a ocorrer hoje em dia. Contudo, muitos atores ainda virão.

Em todo o mais, é importante deixar o pano de sangue cair, provocado pelo atirar com a célebre arma Walther PPK, numa energética corrida contra o mal, com alguns clichés, sem serem totalmente prejudiciais ao universo excitante que Bond instituiu.

Ficha técnica
Ano de Produção: 1962/ Título português: Agente Secreto 007/ Título original: Dr. No/ Realizador: Terence Young / Argumento: Richard Maibaum & Johanna Harwood & Berkely Mather/ Elenco: Sean Connery, Ursula Andress, Joseph Wiseman, Jack Lord, Lois Maxwell, Anthony Dawson, Eunice Gayson, Zena Marshall e Bernard Lee como ‘M’/ Música: Monty Norman & John Barry/ Duração: 110 minutos

Share this article
Shareable URL
Prev Post

2015: As Legislativas que (até) não surpreenderam

Next Post

O Assassinato de Roger Ackroyd

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Voyons voir un film?

Os nomes de Jean Renoir, Jean-Pierre Jeunet, ou de Christophe Barratier soam-lhe a algo conhecido? Faz parte dos…

Água e amor

De novo encontraram-se, ele e ela, cena repetida sem qualquer intento. Encontraram-se no começo daquele caminho…