+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Saudade…

Perco-me num horizonte que não conheço, mas que sei que me espera, mais ao fundo na vida.

Receio não encontrar o que quero, mas acredito que faço diferente todos os dias, marcando pela diferença a vida das pessoas por quem passo, e com quem convivo, no entanto, resta-me a saudade.

A saudade dos que saíram da minha vida e me deixaram um pouco de si, ou muito das suas experiências, dos seus conselhos, da sua vida, enfim!

Deixaram-me o ensinamento da sua vivência que tanto me enriqueceu.

As lágrimas que juntos chorámos, os caminhos que fizemos e voltámos a fazer uma vez e outra, e sobretudo as histórias, carinhos e momentos passados em pleno estado de amizade, são tantas que nem as conto.

Nada a fazer, sou assim mesmo, uma perfeita sentimental, que guarda no coração tudo o que de bom a vida lhe trouxe, incluindo as pessoas que já não estão presentes, pelas mais variadas razões, mas que continuam a fazer-se sentir.

Não guardo tristezas, nem rancores ou mágoa, no meu coração existe espaço apenas para emoções e sentimentos bons. As amarguras e energias negativas vividas, essas ficaram perdidas num tempo que nunca quis que existisse, mas que fez parte do caminho.

Mas falava de saudade, a palavra mais portuguesa de todas, aquela que me traz um sorriso e um morno e terno aconchego ao coração, ahhh a saudade… seria capaz de viver o resto dos meus dias abrigada no conforto dos momentos, e na saudade do tempo já passado.

Mas não posso… não me é permitido, afinal há ainda uma vida para viver, há que construir novos momentos e viver novas histórias que permitirão mais tarde ter mais um conjunto de boas memórias das quais virei também a seu tempo, a ter saudades. E voltarei a viver de novo esses momentos, porque quem constrói boas memórias tem a oportunidade de viver duas vezes o mesmo momento, o vivido e o que se recorda. Assim dizem os entendidos.

A vida de facto é muito interessante e recebemos sempre o que vamos semeando, nem sempre na proporção nem no momento que consideramos ser o adequando, mas quando o universo decide, afinal, tudo o que há-de ser nosso, à nossa mão vem ter.

E por isso na linha do horizonte que agora vislumbro, apenas um desejo e um pensamento, que a vida nos permita a plenitude das realizações a que estamos dispostos.

Ser afinal alguém que deixa a sua marca, ainda que indelével, no coração, daqueles com quem se cruza ao longo da passagem pela vida.

Prefiro aqui lembrar os que me amaram e que amei, terão sido os que verdadeiramente me conheceram?

Não faço ideia. Foram com certeza os que melhor me compreenderam e se deixaram ver e me viram através dos olhos da Alma!

Sejamos felizes enquanto por cá andamos, afinal tudo isto é uma passagem!

Share this article
Shareable URL
Prev Post

007 – Ordem para Matar

Next Post

22 de Abril

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Não penses no amanhã!

Não penses no amanhã, deixa isso para os sonhadores. Não olhes para esse horizonte onde não existe o teu odor,…

A perspectiva do copo

A forma como escolhemos enfrentar os desafios na nossa vida, definem o modo como nos posicionamos perante os…