+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Sara

Sara Moreno (Beatriz Batarda, na sua estreia na televisão portuguesa) é uma grande atriz de cinema dramático, uma vez que tem uma grande capacidade de transmitir emoções e de começar a chorar, quando a cena assim o dita. Contudo, o que acontece, quando Sara perde o seu dom de chorar? Esta é a premissa da série “Sara”, que estreou na RTP2, no ano passado.

Sara pode já não saber chorar, mas precisa de continuar a representar. É a crise existencial dos 40 de uma mulher que se dedicou cegamente à sua arte, àquilo em que acreditava, e sacrificou toda a sua vida pessoal em nome disso. E que, por ser tão exigente, se consumiu a ela própria.

Isolou-se, vive à margem do salto das tecnologias, não existe nas redes sociais, não segue a moda, não vai a festas nem aparece em revistas de socialite. Só existe nos filmes de cinema, onde o dramatismo é rei e senhor. Só existe no pequeno apartamento onde vive e cuida de um pai doente que é também um importante escritor, tendo sido ele o grande responsável pela edificação dos princípios e dos valores de Sara. Contudo, desde o acidente em que perdeu a sua mulher, Henrique, pai de Sara, deixou de falar e só escreve sobre a morte e a velhice.

Farta das suas interpretações dramáticas e da profundidade dos seus personagens, Sara, juntamente com o seu agente que mais ninguém vê, decide fazer novelas. Quer fazer rir, mudar o registo, deixar os abismos e vê nas novelas o antídoto para a sua incapacidade de chorar. Contudo, não sabe como é viver como atriz de novelas. Precisa que lhe ensinem como funciona o mundo da representação em televisão, como ganhar dinheiro com posts de Instagram, como entrar no mundo das redes sociais para tentar ser patrocinada por marcas e como contracenar com um ator que a tenta seduzir.

Apesar destas adversidades, Sara é um sucesso na novela e o público adora-a, mas a série continua a retratá-la como sendo infeliz. Aquele mundo não é o dela e nada mudou. Odeia a forma, o conteúdo e o método de fazer novelas. Chega ao ponto de, num talk-show, perder o filtro em direto e assumir que sente que é uma atriz superior à “raça noveleira”.

No fim, Sara volta ao ponto de partida e põe fim aos trabalhos mais comerciais que tanto odeia, podendo, assim, voltar-se para o seu lado mais artístico.

Ao longo de todos os episódios, Beatriz Batarda representa a jornada de uma mulher que se tenta libertar das suas amarras pessoais e profissionais para se tornar verdadeiramente livre. A série parece conseguir com que o espetador se questione a si próprio sobre como atuaria se fosse Sara Moreno.

Não sei se foi este um dos propósitos deste projeto produzido por Marco Martins, Matilde Silveira e Alberto M. Rodrigues. Só sei que, se queriam criar um produto que pusesse as pessoas a pensar, pelo menos comigo conseguiram alcançar esse objetivo.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

A coragem de reinventar o passado

Next Post

Para sempre

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Mandalorian

A Disney + chegou para fazer concorrência a outras plataformas digitais como Netflix e HBO, mas não chegou…

Ando por aí!

Há tanta coisa que me vai passando ao lado, detalhes em que só reparo quando já não posso voltar atrás. Não sou…